Você está aqui:Home » Dicas » Professores » Você sabe o que é um professor regente e não reagente

Você sabe o que é um professor regente e não reagente

Olá, leitor!

Sabemos muito bem a importância dos professores na sala de aula. Eles são fundamentais para repassar o conteúdo sobre determinada área para o estudante aprender. Independente do professor, cada um tem o seu estilo e maneira de ensinar.

Alguns professores são mais envolvidos com o planejamento da aula e as execuções dentro da sala, do que outros. Enquanto outros professores estão mais distantes da sala de aula. É por isso que iremos explicar pra você o conceito de professore regente e não reagente. Você sabe a diferença?

Diferença entre professor regente e não reagente

professor_regente_professor_escolas

O professor regente é aquele professor que ministra as aulas para os alunos. Já o professor não reagente, ou também chamado de corregente é aquele que participa das aulas, observando o professor regente. Neste caso, podemos citar os professores que estão fazendo estágio, ou até mesmo aqueles que estão aprendendo.

Na prática, podemos explicar da seguinte forma: o professor regente (é o que recebe o estagiário em sala de aula) é de fundamental importância, pois é na troca de experiências entre estagiário e o professor já em atuação que podem ser observadas as reais necessidades do ensino.

A etapa de estágio em sala a de aula, com a realização do Estágio Supervisionado é quando o futuro educador é conduzido a vivenciar a realidade e os desafios da profissão. Logo, afirma-se que ele é um professor corregente. Vale lembrar que a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) de 1996 garante a formação de professores, visando preparar o futuro professor de modo a atender os objetivos da educação.  

Conforme a Lei 9.394/96, p.50) que sofreu alterações em relação a carga horária, essa é definida  pelo Conselho Nacional de Educação pelo CNE/CP 2/2002 do MEC, passando a ser de 400 horas para a Prática de Ensino e de no mínimo 400 horas para o Estágio Supervisionado.

Neste momento o estágio do professor se mostra através da formação no espaço escolar, um dos momentos de refletir sobre as teorias vistas na graduação sob o direcionamento de um profissional ‘experiente’, ou seja, o professor regente.

Funções do professor regente

1. Estabelecer uma clima de amizade, a fim de adquirir a confiança da turma.

2. Elaborar e sistematizar os trabalhos interdisciplinares realizados pela escola.

3. Cooperar com a direção e equipe pedagógica com informações, sondagens de interesse e sugestões referente a turma. Atuar quando necessário junto aos pais ou responsáveis pela turma.

4. Exercer liderança positiva junto aos colegas e professores da turma.

05. Assumir a responsabilidade juntamente com a direção e equipe pedagógica da escola quanto a:

  • Disciplina
  • Ordem
  • Higiene
  • Frequência
  • Rendimento
  • Pontualidade da turma
  • Reivindicações por parte dos alunos

06. Estimular os alunos positivamente:

  • Valorizando e incentivando-os nas tarefas realizadas.
  • Informando o aluno sobre suas dificuldades e seu progresso.

07. O professor regente fica responsável em orientar a turma e repassar o resultado do perfil de turma após o conselho de classe.

08- Indicar à equipe Pedagógica os alunos com dificuldades de aprendizagem na leitura, na escrita e/ou cálculos essenciais para as Salas de Apoio à Aprendizagem, considerando, também, o diagnóstico elaborado pelo professor da Sala de Apoio, durante o período específico destinado para planejamento e estudo.

09. Encaminhar à Equipe Pedagógica justificativas sobre a necessidade de estender o tempo do educando na escola.

10. Participar com a Equipe Pedagógica e o professor da Sala de Apoio à Aprendizagem da definição de ações pedagógicas que possibilitem os avanços no processo de aprendizagem o aluno.

11. Manter contato frequente com o professor de Sala de Apoio à Aprendizagem, a fim de discutir e acompanhar os avanços do aluno.

12. Definir com a Equipe Pedagógica e o professor da Sala de Apoio, em consenso com o coletivo dos professores da turma, o momento de dispensa do aluno, considerando a superação das dificuldades apresentadas no parecer descritivo.

13. Dar continuidade ao acompanhamento do aluno quando vindo da Sala de Apoio à Aprendizagem.

Ainda conforme está no artigo 25, segue outras atribuições do professor regente:

  1. Art. 25 . Caberá ao professor regente: I – planejar, em articulação com o professor de tecnologias, as atividades a serem desenvolvidas; II – participar dos cursos de formação continuada em Tecnologias Educacionais oferecidos pela Secretaria de Estado de Educação; III – fazer uso da Sala de Tecnologias objetivando a efetividade e eficácia do processo de ensino e de aprendizagem; IV – desenvolver com os alunos trabalhos e pesquisas que estimulem a construção do conhecimento; V – responsabilizar-se pelo desenvolvimento das atividades pedagógicas na Sala de Tecnologias Educacionais; VI – avaliar o processo de ensino e de aprendizagem dos alunos; VII – avaliar o seu desempenho na Sala de Tecnologias Educacionais.

 Atribuições do professor não reagente

  • Propor adaptações curriculares nas atividades pedagógicas;
  • Participar do conselho de classe;
  • Tomar conhecimento antecipado do planejamento do professor regente quando o educando estiver matriculado nas séries finais do ensino fundamental;
  • Sugerir ajudas técnicas que facilitem o processo de aprendizagem do aluno da educação especial;
  • Cumprir a carga horária de trabalho na escola, mesmo na eventual ausência do aluno;
  • Participar de capacitações na área da educação;
  • O relatório bimestral será elaborado em conformidade com os professores que atendem o aluno dentro das normas estabelecidas pela Secretaria da Educação.

Relação entre professor regente e não reagente

Independente de sua ocupação o mais importante é ambos professores terem respeito, um pelo outro. Mesmo quando o professor vai fazer o estágio supervisionado ele precisa se sentir confortável dentro da sala de aula.

Neste sentido, é importante que tenham uma base de confiança, isso é fundamental porque senão fica muito difícil ter o entrosamento necessário para que nenhum deles seja prejudicado. Entretanto, percebe-se que este profissional, muitas vezes, não se sente inserido neste processo.

A atuação do professor regente e não reagente, muitas vezes está ligada com a formação de professores. Ainda mais em um mundo moderno, que agora exige habilidades e conhecimentos antes nunca exigidos. Mas essa relação pode não ser apenas no estágio supervisionado e ocorrer entre ambos professores.

Por exemplo, o professor reagente explica a matéria, e o professor não reagente auxilia os alunos nos esclarecimento de dúvidas, ou ainda ajuda a realizar as atividades. Mas é importante que ambos se respeitem para que os alunos possam presenciar essa confiança.

Até porque já aconteceu casos em que o professor não reagente nem participava da aula, por vários motivos, ou porque o professor regente não dava  espaço, ou até mesmo pela situação, e quando o professor não reagente era chamado por um aluno, ou quando ele queria se expor, sua opinião era deixada de lado pelos alunos.

Para o professor reagente isso é muito desconfortável. Quem está dentro da sala de aula está ali para ensinar e ajudar os alunos a esclarecer as suas dúvidas. E quando o mesmo é deixado de lado, isso pode interferir de forma negativa em seu trabalho.

Valorização do professor

Ainda há seleções que contratam professores não reagentes. Os mesmos são convidados a auxiliar o professor regente. E isso não quer dizer que ele não vá inferir, ambos ocupam uma posição importante dentro da sala de aula, mas o respeito deve existir sempre.

Por vezes, o professor não reagente pode não ter tantas atividades fora da sala de aula, se preocupando mais com as questões dentro da sala de aula. Isso vai depender muito do ensino e da escola em que ele for ministrar as aulas.

De qualquer forma,  o professor deixou para trás a função de mero transmissor de conhecimentos para se tornar um orientador, um estimulador que guia os alunos na construção de seus próprios conceitos, valores, atitudes e habilidades. Ou seja,  o profissional da educação ocupa lugar central, cumprindo a tarefa de cuidar da formação dos que chegam até a escola.

Os avanços tecnológicos também contribuíram para a transformação da figura do professor.  Dessa forma, a tecnologia está cada vez mais presente na sala de aula, certo? Por isso, o professor que deseja se destacar e garantir um ensino diferenciado aos alunos precisa buscar qualificação.

Sendo assim, diante de um cenário marcado pelo avanço da tecnologia, um dos principais desafios do educador é conseguir adaptar as aulas para manter o interesse dos alunos. Até porque a escola do futuro não pode ignorar os avanços tecnológicos que ocorreram nas últimas décadas.

Independente da ocupação dos professores dentro da sala de aula, além de enfrentarem os desafios de um país marcado pela desigualdade social, escolas inovadoras ainda devem empoderar as crianças, dando a elas voz. Então, para o trabalho do professor ser de fato bem-sucedido, é fundamental a contribuição dos pais, que devem confiar e acreditar no trabalho da escola.

Desta forma, o mercado de trabalho vem buscando e valorizando profissionais criativos e que conseguem oferecer soluções inovadoras nas mais diversas áreas. Fazer-se professor é um processo desenvolvido ao longo de toda a vida. Existem sentimentos pessoais e profissionais que se manifestam durante a carreira e que demandam apoio para o profissional.

Os desafios da atualidade requerem educadores competentes, criativos e ousados, que apresentem novas propostas para um mundo em constante mutação.  E logo as questões voltadas aos professores regentes giram em torno de compreender sobre seus papéis na formação dos futuros professores.

Até logo!

Deixe um comentário

© 2012-2018 Canal do Ensino | Guia de Educação

Voltar para o topo