Você está aqui:Home » Dicas » Estudantes » Saiba como fazer uma redação dissertativa-argumentativa

Saiba como fazer uma redação dissertativa-argumentativa

Olá, leitor!

Vestibulares, concursos públicos e exames em geral costumam exigir a elaboração de uma redação dissertativa-argumentativa. Textos desse gênero pedem a problematização de um tema e a defesa de uma tese, ou seja, de um posicionamento, sobre ele.

Nesse tipo de redação, são avaliadas as capacidades de argumentação e de associação do candidato. Por isso, aborde vários aspectos relacionados à tese, sem se prender aos textos de apoio e traga conceitos de diferentes áreas do conhecimento para fundamentar seu ponto de vista.

Sua opinião deve ser exposta de modo claro, fluído e impessoal. Logo, não use a 1° pessoa do singular nem escreva coisas como “eu acho” ou “eu acredito”. Também evite utilizar as palavras “tese” e “argumento” durante o texto.

As dissertações geralmente ocupam cerca de 30 linhas e são divididas em 3 partes: introdução, desenvolvimento e conclusão, cada uma com características e estruturas próprias. Veja a seguir os principais tópicos sobre cada seção do texto.

Primeira parte da redação: Introdução

Redação dissertativa-argumentativa

Fonte: Reprodução

A introdução deve conter a contextualização do tema e a indicação do ponto de vista que assumimos diante dele. Apesar de os textos de apoio já trazerem informações sobre o assunto que será abordado, é importante retomá-las e complementá-las no início da redação. Contudo, não use expressões do tipo “como já foi dito” ou “conforme falado no enunciado”.

Além disso, o parágrafo inicial não precisa ser muito longo, podendo ter de 4 a 6 linhas, e permite várias formas de estruturação. Confira a seguir algumas possibilidades:

Tipos de introdução

1. Alusão histórica

Em uma introdução por alusão histórica, o candidato deve apresentar um fato histórico relacionado ao tema e compará-lo como uma situação contemporânea. Assim, você mostra que tem um amplo repertório cultural e que está a par das atualidades. Porém, é importante trazer dados concretos e evitar expressões vagas como “Desde tempos imemoriáveis” e “Antigamente”.

2. Citação

Iniciar o texto com uma citação relevante sobre o tema fundamenta a argumentação e exemplifica a tese. Se você se lembrar dos termos exatos da frase, escreva-a entre aspas, senão, faça um resumo da citação com suas próprias palavras e sem aspas. Nos dois casos, é essencial mencionar o autor da frase utilizada.

3. Definição

Uma forma de começar textos dissertativos é definindo, isto é, explicando, uma palavra, expressão ou assunto. Essa tática ajuda a familiarizar o leitor com as ideias que serão desenvolvidas ao longo da redação.

4. Comparação

Ocorre quando o texto é iniciado com uma comparação, ou seja, com a aproximação de dois tópicos que podem ter uma relação de inferioridade, igualdade ou superioridade. Um recurso análogo à comparação é a oposição que, ao invés de unir ideias parecidas, trabalha com conceitos contrastantes.

5. Dados Estatísticos

Consiste em utilizar dados estatísticos para introduzir o tema e comprovar a tese. Essas informações podem ser retiradas tanto dos textos de apoio quanto de outras fontes, contudo, sempre é necessário citar os créditos dos dados.

6. Alusão a quadros, livros e filmes

É possível começar a dissertação relacionando o tema com algum quadro, livro ou filme. É importante contar um pouco sobre o contexto em que a obra foi feita e, se for livro ou filme, fazer um resumo de seu enredo, procurando intersecções com o assunto da redação.

O que evitar na introdução

Há algumas práticas que precisam ser evitadas na primeira parte do seu texto. Não é recomendado iniciar a introdução com as mesmas palavras do título nem fugir do tema proposto no enunciado. Também não se deve usar clichês nem trazer ideias que não serão retomadas ao longo da dissertação.

Segunda parte da redação: Desenvolvimento

É no desenvolvimento que surgem os argumentos que sustentarão a tese apresentada na introdução. Agora é a hora de justificar, provar e exemplificar os tópicos levantados no começo do texto. O desenvolvimento deve ser fluído e objetivo, por isso, evite repetir ideias e use conectivos para ligar as frases. Para ficar mais fácil, trabalhe cada argumento em um parágrafo diferente.

Também é importante citar posições contrárias e demonstrar porque elas não são compatíveis com a tese. Entretanto, não se esqueça de escrever apenas as ideias principais, já que o tamanho sugerido para o desenvolvimento vai de 2 a 3 parágrafos, ou seja, de 14 a 18 linhas. Confira a seguir algumas formas de estruturar essa parte do texto:

Tipos de desenvolvimento

1. Causa e consequência

Esse tipo de desenvolvimento expõe as causas e as consequências do problema proposto pelo tema e usa essas informações para sustentar os argumentos.

2. Enumeração

A enumeração é muito usada em redações argumentativas. Nela, o candidato menciona vários fatores relacionados ao tema e depois explica cada um deles. É importante que no decorrer do texto, os fatos citados sejam utilizados para fundamentar o posicionamento assumido.

3. Exemplificação

Na exemplificação, o candidato traz e analisa exemplos que justifiquem seu ponto de vista. É recomendado usar exemplos amplamente conhecidos, como episódios cotidianos e acontecimentos históricos.

4. Alusão histórica

Em um desenvolvimento por alusão histórica, o candidato utiliza fatos históricos para introduzir o tema e sustentar a tese.

5. Comparação

Essa tática também pode ser usada na introdução e consiste em desenvolver os argumentos a partir de comparações entre itens relacionados ao tema.

É importante lembrar que você não precisa usar a mesma estratégia no desenvolvimento inteiro. Recomendamos, inclusive, que cada parágrafo de argumentação siga um modelo diferente.

O principal objetivo de uma dissertação argumentativa é mostrar para o leitor que a sua tese está apoiada em evidências e que há motivos relevantes para você adotar essa posição. Existem algumas técnicas de argumentação que podem te ajudar nessa tarefa. Veja as duas principais a seguir:

Técnicas de argumentação

1. Argumento de autoridade

O argumento de autoridade equivale a usar a fala de um especialista em um assunto relacionado ao tema para embasar a tese. Esse tipo de argumentação mostra que o candidato possui repertório cultural e posicionamento crítico.

2. Argumento por raciocínio lógico

O argumento por raciocínio lógico ocorre quando o candidato utiliza relações de analogia para transpor uma situação particular para um contexto geral, ou vice-versa, e assim fundamentar seu ponto de vista. É importante que as conexões sejam bem desenvolvidas e que o raciocínio esteja bem estruturado.

O que evitar no desenvolvimento

No desenvolvimento, você deve evitar construir a argumentação com muitas ideias pouco exploradas. Pelo contrário, procure trabalhar com apenas 2 ou 3 tópicos, mostrando todos os seus aspectos e desdobramentos O mesmo vale para os exemplos; se você for exemplificar seus argumentos, não seja excessivo. Utilize poucos fatos, mas relevantes e relacionados com o tema.

Terceira parte da redação: Conclusão

A conclusão é a última parte da redação, é nela que você retoma os argumentos expostos nos parágrafos anteriores e sintetiza seu ponto de vista. Você não deve trazer novas ideias no final do texto, mas apenas resumir o que já foi dito.

A conclusão normalmente tem de 4 a 6 linhas, mas isso varia conforme a prova. Por exemplo, no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), o encerramento pode ser mais longo, já que a prova pede que o candidato faça uma conclusão com uma proposta de intervenção, isto é, uma solução para o problema trabalhado ao longo do texto.

A proposta de intervenção vale 1/5 da nota da redação e precisa ser detalhada e específica, trabalhando como, por quem e por que o problema será enfrentado. É imprescindível que a solução sugerida respeite os direitos humanos, caso contrário, o candidato terá sua nota da conclusão anulada.

Procure trazer propostas que contemplem e relacionem vários setores e agentes sociais. Por exemplo, ações que envolvam o governo e o campo legislativo devem estar relacionadas com atitudes tomadas pelas famílias em âmbito individual.

A menos que o enunciado peça explicitamente, não é recomendado fazer uma proposta de intervenção em provas que não sejam o Enem. Nesses outros exames, o candidato pode trazer uma perspectiva sobre a questão trabalhada no texto, mas sem sugerir meios para resolvê-la.

O que evitar na conclusão

Na conclusão, evite usar expressões que provoquem uma quebra na progressão temática, como “concluindo” e “finalizando”. Prefira conjunções como “logo”, “portanto” e “então”. Também é importante não deixar o raciocínio incompleto, isto é, não encadear a conclusão com o desenvolvimento e a introdução.

E então, o que você achou do nosso resumo sobre redação dissertativa-argumentativa? Ficou com alguma dúvida? Deixe aqui nos comentários!

Bons estudos e até mais!

Para saber mais sobre os tipos de redação que caem nos vestibulares, clique aqui!

Deixe um comentário

© 2012-2018 Canal do Ensino | Guia de Educação

Voltar para o topo