Você está aqui:Home » Dicas » Professores » Professor como exemplo: 11 dicas para motivar os alunos

Professor como exemplo: 11 dicas para motivar os alunos

Olá, leitor!

Muitos jovens encaram os estudos em sala de aula como tarefa desagradável: o momento mais chato do dia! Diante disso, o professor consciente se depara com um dilema: fazer com que seus alunos gostem de estudar ou aceitem essa prática como necessária para seu desenvolvimento.

Nesse artigo tentaremos ajudá-lo com informações importantes e diferenciadas. Confira!

Conceito de motivação

professor_

Primeiramente é interessante lembrar que muitas vezes usamos o termo Motivação de maneira equivocada. Como já disse o respeitável Mario Sérgio Cortella, professor e filósofo contemporâneo: “A motivação é um movimento interno. Ninguém motiva alguém, o que se pode fazer é estimular”.

Cada um tem uma motivação para determinadas coisas. Existem estímulos externos que poderão ajudar as pessoas a se sentirem mais motivadas. O professor que é um ser motivado pela vocação de ensinar, deverá promover esses estímulos, ações que favoreçam o despertar motivacional nos alunos, o por quê estudar.

Quem é o aluno que precisa de motivação?

  • Alunos com dificuldades de aprendizagem, geralmente avaliados por especialistas (tdah –Transtorno do Déficit de atenção com Hiperatividade, dislexia, ansiedade,espectro autista e outros).
  • Alunos que enfrentam problemas econômicos, familiares, sociais.
  • Alunos esgotados mentalmente por excesso de conteúdo ou atividades dentro ou fora da escola.

Esses são só alguns exemplos de situações onde os professores poderão reconhecer possíveis alunos desmotivados. Mas em qualquer outra situação ou oportunidade, terá a chance de observar alunos que achem desnecessário ou sem importância estudar algum conteúdo.

Vale a pena antes de mais nada, conversar com os alunos que estejam passando por alguma dessas situações e só então desenvolver atividades orientadas a despertar sua motivação. Seguem algumas dicas que poderão ajudar nesse processo.

Ações diárias

1 – Entusiasmo do professor

Evitar o desânimo

Como foi dito anteriormente, o professor é o profissional que tem na função de educar sua principal motivação. Gosta do que faz e está sempre em busca de melhorar seu fazer pedagógico para ajudar seus alunos a se desenvolverem.

O professor entusiasmado, acredita no que vai ensinar. Na importância de levar ao conhecimento do aluno determinado conteúdo. Dessa forma passa verdade em suas aulas despertando o interesse dos estudantes.

Por vezes, como qualquer ser humano, o professor também encontra seus momentos de desânimo. Porém, deve-se lembrar do que o motiva a estar em sala de aula. Tentar superar e contornar as dificuldades, como assim se espera de qualquer profissional.

Em outras ocasiões, costuma acontecer dos alunos encontrarem-se desanimados com a aula, por um motivo qualquer. Nesse momento, o professor deverá buscar alternativas de ação objetivando despertar nos alunos vontade em aprender.

Recursos tecnológicos, brincadeiras, músicas, aulas externas, debates – conhecendo bem sua turma, poderá definir qual a melhor estratégia para contornar esse desânimo. Vale buscar ajuda dos outros professores e dos próprios alunos.

2 – Tornar o ambiente físico acolhedor

Um ambiente acolhedor é um local onde todos que ali convivem sintam-se abraçados. Pouco tem a ver com o espaço físico em si, embora um ambiente aconchegante, com carteiras confortáveis, boa iluminação e bem arejado será sempre bem-vindo! Mas, acolhedor tem mais a ver com sentimento.

Um espaço onde os professores e os alunos se tratem bem. Se conheçam e colaborem uns com os outros. Um ambiente sem rixas, sem discriminação, solidário e alegre. Tanto crianças como adolescentes são muito receptivos quando há afeição pelas pessoas e pela maneira que todos se tratam. Procure promover um ambiente assim.

3 – Objetivo de cada conteúdo

O porquê da sequência do conteúdo?

Para quê – Ligação com a realidade e relevância para o futuro.

Em relação ao conteúdo, os alunos são motivados quando entendem da importância de se estudar determinada matéria em sua vida. Quando se explica o objetivo de cada tema, levando para sua função no mundo real, faz sentido ao aluno estudá-lo.

Atividades práticas, contextualização no mundo, exemplos reais de pessoas que usam o conhecimento desses conteúdos na vida, são fundamentais para despertar a atenção do aluno.

4 – Trabalhar em grupos

Incentivar o desenvolvimento social e pessoal do aluno

Uma ação que se bem trabalhada é eficiente no propósito motivacional dos estudantes é o trabalho em grupos. Nessa proposta há a possibilidade de se desenvolverem socialmente exercendo o trabalho em equipe, determinando funções, separando os conteúdos e conversando sobre o assunto.

Muitos alunos são líderes desde cedo, enquanto outros são inseguros. Ao lado dos comunicativos, podem ter os tímidos. É nessa ocasião que se faz necessário promover essas atividades, pois, por mais que uns não gostem, estarão exercendo a comunicação e ampliando o conhecimento entre eles.

5 – Ritmo de ensino adequado

  • Simplificar
  • Partir da realidade

O professor interessado em despertar nos alunos o gosto pelo assunto estudado deve se preocupar se sua didática está cumprindo seu papel. Se necessário, deve fazer mudanças, adaptações para que possa ocasionar o aprendizado.

O ritmo depende da turma, mas o professor poderá usar estratégias de acordo com a necessidade. Se a turma estiver demorando pra assimilar o conteúdo, como filmes, trabalhos de pesquisa e demonstração na prática, poderão auxiliar no desenrolar do tema.

Se o professor sentir que está indo rápido demais com o assunto, pode propor um aprofundamento. Se os alunos gostaram do tema, terá mais oportunidade de trabalhar a transdisciplinaridade e a interdisciplinaridade com outros professores.

6 – Interesse do aluno (quais?)

Encorajar a reflexão do aluno

O professor deve sempre procurar conhecer seus alunos. Saber de suas habilidades, seus interesses, com o que sonha, o que pretende pro futuro. Conversar abertamente com eles individualmente ou em grupos, para ajudá-los a definir seus objetivos de vida e traçar metas para alcançá-los.

O estudante precisa encontrar seu lugar no espaço. O professor é alguém que guia o aluno nessa jornada, mostrando os prováveis caminhos, contribuindo assim para seu desenvolvimento em busca da realização de seus sonhos.

Um dos meios utilizados pelo professor para ajudar os alunos nessa tarefa é encorajá-los a refletir sobre tudo que os envolvem: os acontecimento, os lugares e as pessoas que fazem parte do mundo em que vivemos.

Por meio de leituras, conversas informais, palestras, entrevistas e muitas outras ações que poderão auxiliar o professor nesse processo de autoconhecimento dos seus alunos.

7 – Mostre Empatia

  • Ajudar o aluno a acreditar em si mesmo;
  • Personalização das relações pedagógicas;
  • Evitar comparações;

A forma como o profissional de educação trata seus discentes pode provocar reações positivas ou não. Por isso é importante que haja empatia entre ambos. Não só conhecer e entender as situações vividas pelos estudantes, mas se colocar no lugar deles, ou seja ter empatia por eles.

Sabendo de suas dificuldades, ou facilidades, conhecendo melhor cada aluno pelo que ele é, na sua individualidade e não comparando uns com os outros terá melhores condições para ajudar na construção dos seus saberes.

Metodologia 

8 – Aluno participa da escolha das matérias e tarefas sempre que possível

  • Papel ativo do aluno na construção do saber;
  • Incentivar o compartilhamento de sabedoria entre os alunos;

Uma das formas de encontrar a motivação no aluno é o despertar de sua autonomia. Mostrando a ele que é o grande responsável pelo seu destino diante do que lhe foi ensinado.

Por isso o educador precisa incentivá-los a compartilhar seus conhecimentos e dando oportunidade de escolherem também o que querem aprender em determinado momento.

9 – Diminuir a pressão das avaliações

Reconhecer e evidenciar o sucesso do aluno

As formas de avaliação são diversas, por isso é importante que o professor ultrapasse a barreira de provas e trabalhos escritos. Os jovens em sala de aula, precisam perceber que a avaliação é sobre o seu aprendizado como um todo, sua evolução e suas conquistas.

Isso deve acontecer em todo o processo, mesmo que haja na escola a cobrança de notas por parte do professor, este deve deixar claro aos estudantes que elas serão dadas de forma justa e que se preocupem mais em aprender no dia a dia.

10 – Dinâmicas

Faz parte da metodologia de ensino para favorecer a motivação dos alunos a utilização de dinâmicas, entre outros recursos diversos como brincadeiras e jogos, diversificando assim as aulas e deixando-as menos cansativas. Eis algumas ideias:

11 – Ferramentas Digitais

Uma das coisas que mais atrai os jovens é a tecnologia. Praticamente todos tem acesso à internet seja pelos notebooks, tablets ou celulares. Redes sociais, YouTube, sites de buscas e aplicativos diversos, fazem parte do seu dia a dia.

O professor, interessado em despertar a atenção do aluno, deve incluir e explorar de forma criativa e instigante esses recursos em suas aulas. Que os alunos façam vídeos, músicas, jogos, blogs, grupos de estudo, apresentação, enfim, tudo que puderem fazer para mostrar suas habilidades e seus conhecimentos aprendendo e ensinando.

Essas são apenas algumas dicas, porém, usando sua criatividade e sua sabedoria, poderá encontrar outras formas mais adequadas à realidade de sua turma. Se são crianças muito pequenas, se são jovens ou adultos, de qualquer maneira, sempre haverá uma chance de resgatar o gosto pelo conhecimento tão importante para o crescimento pessoal de cada um.

Até logo!

Deixe um comentário

© 2012-2018 Canal do Ensino | Guia de Educação

Voltar para o topo