Você está aqui:Home » Dicas » Estudantes » Pontuação: passo a passo completo para não errar mais

Pontuação: passo a passo completo para não errar mais

Olá,

Há inúmeras diferenças entre a linguagem falada e a escrita. Quando falamos, por exemplo, nosso interlocutor interpreta o que dizemos não só pelas palavras que usamos; o tom de voz, os gestos e a expressão facial são alguns dos elementos que contribuem para a interpretação daquilo que ouvimos e falamos. Na língua escrita, um dos recursos que usamos para ajudar nessa interpretação e deixar o texto mais coeso e coerente são os sinais de pontuação.

Quando falamos em pontuação, referimo-nos a um sistema de sinais gráficos que servem para dividir as partes de um texto, indicando pausas, entonações e tornando-o mais claro. Neste texto, você aprenderá a usar o ponto, a vírgula, o ponto e vírgula, o ponto de exclamação, o ponto de interrogação, os dois-pontos, as reticências, o travessão, os parênteses e as aspas.

Ponto

Pontuação

Fonte: Reprodução

O ponto, também conhecido como ponto final, é usado para indicar o fim de um período. Geralmente, usamos o ponto para assinalar o término de uma frase declarativa.

Ex.: Maria emprestou dinheiro a João.

Usamos também o ponto em abreviaturas.

Ex.: etc., ex., obs.

Observe que, quando a abreviatura aparece no final da frase, coloca-se apenas um ponto.

Vírgula

A vírgula é um sinal gráfico que indica uma pausa de curta duração. Entretanto, devemos prestar bastante atenção ao seu uso, pois não é em toda pausa, mesmo de curta duração, que se deve usar a vírgula. Veja a seguir quando devemos usar a vírgula e quando devemos evitá-la.

Usa-se a vírgula

  • Para separar elementos enumerados, coordenados, de mesma função sintática.

Ex.: Fernanda comprou uma casa, um carro, uma moto e um sítio.

Obs.: nesse caso, dispensamos a vírgula quando os elementos estão unidos por e ou nem. Entretanto, a vírgula é usada caso repitamos o e.

Ex.: Fernanda comprou uma casa, e um carro, e uma moto, e um sítio.

  • Para isolar o vocativo.

Ex.: Thiago, aonde você a esta hora?

  • Para isolar o aposto.

Ex.: O Brasil, país da América do Sul, tem um povo bastante alegre.

  • Para isolar expressões explicativas ou retificativas (isto é, ou seja, por exemplo, etc.).

Ex.: A fonologia é a parte da gramática que estuda os sons no processo de comunicação, ou seja, como esses sons são organizados e classificados.

  • Para isolar nome de lugar em datas.

Ex.: Belo Horizonte, 12 de dezembro de 2018.

  • Para isolar o adjunto adverbial extenso, no início da frase ou quando lhe queremos dar ênfase.

Ex.: Na escola de Gabriel, os alunos só podem entrar uniformizados.

  • Para indicar a elipse (omissão) do verbo.

Ex.: Antônia comprou um carro; Antônio, uma moto.

  • Quando a conjunção não vem no início da oração, usamos a vírgula para indicar seu deslocamento.

Ex.: Estou muito cansado; vou, porém, à festa de aniversário de minha tia.

  • Após as palavras sim e não em início de frases.

Ex.: Sim, eu gosto de churrasco.

  • Para separar elementos coordenados em um provérbio.

Ex.: Casa de ferreiro, espeto de pau.

  • Entre as orações coordenadas assindéticas.

Ex.: Vim, vi, venci.

  • Entre as orações coordenadas sindéticas. Exceto as aditivas introduzidas pela conjunção e, que só aceitam vírgula quando as orações possuem sujeitos diferentes.

Ex.: Pedro estudou bastante, portanto passou de ano direto.

  • Antes das orações subordinadas substantivas apositivas, caso não sejam usados os dois pontos.

Ex.: Não se esqueça de uma coisa, que todos devemos respeitar uns aos outros.

  • Para isolar as orações subordinadas adjetivas explicativas.

Ex.: Deus, que é pai, olha por todos nós.

  • Para separar as orações subordinadas adverbias antepostas à oração principal ou intercaladas. Quando as orações subordinadas adverbiais aparecem após a oração principal, a vírgula é facultativa.

Ex.: Embora estivesse chovendo, decidi ir à praia.

Não se usa a vírgula

  • Entre o sujeito e o verbo.

Ex.: Enzo chegou em casa cansado.

Obs.: caso haja algum elemento intercalado entre o sujeito e o verbo, usamos duas vírgulas para isolá-lo.

Ex.: Enzo, que treinou o dia inteiro, chegou em casa cansado.

  • Entre o verbo e seus complementos.

Ex.: Vendi meu telefone para o André.

Obs.: caso haja algum elemento intercalado entre o verbo e seu complemento, usamos duas vírgulas para isolá-lo.

Ex.: Vendi, pois estava precisando de dinheiro, meu telefone para o André.

Ponto e vírgula

O ponto e vírgula é usado para indicar uma pausa maior que a da vírgula e menor que a do ponto final. Usamos o ponto e vírgula:

  • Para separar orações coordenadas extensas, principalmente se pelo menos uma delas possuir partes divididas por vírgulas.

Ex.: “Vexames, sustos, remorsos, desejos, tudo sentiu de mistura; mas a batalha foi curta e a vitória delirante.” (Machado de Assis)

  • Para separar itens em um enunciado enumerativo.

Ex.: A lista de mantimentos para doação é:

Farinha;

Arroz;

Feijão;

Sal;

E açúcar.

  • Para separar itens em um enunciado enumerativo sempre que houver vírgulas no interior dos itens enumerados.

Ex.: Todos estavam muito assustados: João, pois quase morrera; Felipe, por quase ver a morte do amigo; e Diogo, por ter escutado o barulho.

  • Para separar orações em que ocorra zeugma (omissão de um termo presente na primeira oração.)

Ex.: Antônia comprou um carro; Antônio, uma moto.

Obs.: também se usa o ponto e vírgula para separar os itens de um artigo de lei, de um regulamento e entre os considerandos de decretos, sentenças, petições, portarias, acórdãos ou documentos análogos.

Ponto de exclamação

O ponto de exclamação é usado em finais de frases exclamativas ou em interjeições, para indicar estados emocionais, como alegria, surpresa, susto, espanto, dor, ordem, súplica, etc.

Ex.: Nossa! Uau!

Façam silêncio, por favor!

O ponto de exclamação também é usado quando se quer dar ênfase a um vocativo.

Ex.: Ó Deus! ajude-me nestas horas difíceis.

Ponto de interrogação

O ponto de interrogação é usado em finais de frases interrogativas diretas para indicar uma pergunta.

Ex.: Onde estão as minhas canetas coloridas?

Dois-pontos

Os dois-pontos são usados na introdução de termos, orações ou citações que expliquem ou enumerem o que se disse antes.

Ex.: “Era um pouco mais velha que ambos: contava trinta anos, Vilela vinte e nove e Camilo vinte e seis.” (Machado de Assis).

Reticências

As reticências são usadas para indicar uma interrupção na frase. Geralmente essa interrupção pode sugerir:

  • Continuação de pensamento ou de ideia em final de período.

Ex.: “A senhora gosta de uma pessoa…” (Machado de Assis)

  • Dúvida, surpresa ou hesitação, principalmente quando aparecem no meio da frase.

Ex.: “ – É… É já a segunda que morre hoje.” (Lima Barreto)

  • Interrupção em um diálogo.

Ex.: “ – Ora, Adelaide! Pensas que quero fazer fortuna? Faço isso para dar exemplo, levantar a agricultura, aproveitar as nossas terras feracíssimas…

– É isto… Queres sempre ser a abelha-mestra… Já viste os grandes fazerem esses sacrifícios?… Vê lá se fazem! Histórias… Metem-se no café que tem todas as proteções…” (Lima Barreto)

  • Movimento ou continuidade.

Ex.: Vilela podia sabê-lo, e depois…” (Machado de Assis)

Travessão

O travessão é um traço um pouco maior que o hífen, que usamos para:

  • Indicar o início da fala de um personagem ou a mudança de interlocutor em diálogos.

Ex.: “ – Matá-lo?

– Antes assim fosse.

– Coisa pior?” (Machado de Assis”

  • Separar a fala de um personagem da fala do narrador.

Ex.: “ – A sege chegou muito tarde? – perguntou Félix à hóspeda.” (Machado de Assis)

  • Isolar palavras ou orações que queremos destacar no interior de uma frase.

Ex.: João – que dizia tudo saber – nunca soubera argumentar sobre nada.

  • Isolar termos explicativos.

Ex.: Estou cansado de tudo – digo – decepcionado com tudo.

  • Substituir os parênteses, a vírgula ou os dois-pontos.

Ex.: Dona Carmem – esposa de seu Manuel – faleceu na noite passada.

Parênteses

Os parênteses são usados para separar palavras ou frases explicativas. Usamo-los também para separar uma reflexão, um comentário ou substituir a vírgula e o travessão.

Ex.: Quando chegou em casa (ignorante de tudo que ocorrera), Pedro levou um grande susto.

Aspas

Usamos as aspas:

  • Em início e fim de citações.

Ex.: “Os fatos explicarão melhor os sentimentos, os fatos são tudo.” (Machado de Assis)

  • Para destacar alguma palavra no texto, seja para dar ênfase ou para indicar que se trata de uma gíria, um neologismo, um estrangeirismo ou ironia.

Ex.: “Comé” que você chegou aqui?

  • Alguns escritores usam as aspas também para indicar a fala de personagens em um diálogo.

Ex.: “São”, eu disse, também decepcionado, “você não gosta?”

“Tem uma garrafa escondida nesse meio?” (Rubem Fonseca)

Vimos neste texto o que é pontuação, os pontos e quando usá-los. Agora, que tal fazer uns exercícios para testar seus conhecimentos?

Um grande abraço, e até a próxima!

Exercícios

1 – (CESGRANRIO – 2011 – FINEP – Técnico – Apoio Adm e Secretariado) A vírgula pode ser retirada sem prejuízo para o significado e mantendo a norma-padrão na seguinte sentença:

a) Mário, vem falar comigo depois do expediente.

b) Amanhã, apresentaremos a proposta de trabalho.

c) Telefonei para o Tavares, meu antigo chefe.

d) Encomendei canetas, blocos e crachás para a reunião.

e) Entrou na sala, cumprimentou a todos e iniciou o discurso.

2 – (FCC) – Está inteiramente correta a pontuação do seguinte período:

 

a) Garçom, nós queremos conversar; poderia pedir para baixar um pouco o volume do rádio, por favor?

b) Se a maré subir, logo, os turistas ficarão ilhados naquelas pedras e, terão que esperar até amanhã, para voltarem.

c) Admita, que você nos traiu, ao tomar uma atitude que contrariou inteiramente, nossa decisão da véspera.

d) Durante a projeção do filme, que você me recomendou as pessoas iam saindo, mostrando assim, seu desagrado e desinteresse pelo final.

e) Você deve ser condescendente, uma vez que, se não renegociar minha dívida, dificilmente, poderei pagá-la.

 

3 – (VUNESP) – Assinale a alternativa correta quanto à pontuação:

 

a) Seguido pelo alcoolismo o tabagismo, encabeça a lista dos fatores de risco.

b) O tabagismo encabeça, seguido pelo alcoolismo a lista dos fatores de risco.

c) O tabagismo, seguido pelo alcoolismo, encabeça a lista dos fatores de risco.

d) O tabagismo seguido pelo alcoolismo, encabeça a lista dos fatores de risco.

e) O tabagismo encabeça seguido pelo alcoolismo, a lista dos fatores de risco.

 

4 – (FESP-RJ) – Nas passagens do texto abaixo estão indicadas vírgulas que o autor poderia ter usado. A alternativa em que seu aparecimento contraria as normas da língua culta é:

 

a) “No Brasil, se o hábito não faz o monge, muitas vezes, é causa de atraso.”

b) “O medo de modificar costumes inadequados a nossa realidade faz, com que permaneçamos estacionados.”

c) “Criou-se, entre nós, a ideia equivocada de que um homem só está bem vestido quando abafa o corpo.”

d) “Mais lógico seria que, ao serem bombardeados nas ruas, nos ônibus, nos trens e nos escritórios por esse calor insuportável, os homens reagissem.”

e) “Tenho esperança de que, brevemente, sem traumas, recalques ou compromissos com o passado, poderemos, finalmente, ir para o trabalho em roupa esporte.”

 

Gabarito

1 – B

2 – A

3 – C

4 – B

comentários (1)

Deixe um comentário

© 2012-2019 Canal do Ensino | Guia de Educação

Voltar para o topo