Você está aqui:Home » Dicas » Estudantes » Orações coordenadas: como mandar bem na prova

Orações coordenadas: como mandar bem na prova

Olá,

Neste artigo, falaremos sobre as orações coordenadas. Além de classificar cada uma delas, vamos também lhe daremos algumas dicas para identificá-las. Bora lá?

Orações coordenadas

As orações coordenadas são aquelas que são independentes umas das outras. Elas podem aparecer justapostas ou ligadas por conjunções. Quando justapostas, são separadas por vírgulas e não apresentam conjunção.

Orações coordenadas assindéticas

Orações coordenadas

Fonte: Reprodução

As orações coordenadas assindéticas são as que não possuem conjunção. Portanto, são separadas por vírgula.

Ex.: Vim, vi, venci.

Cheguei em casa muito cansado, tomei um banho, jantei, fui dormir.

Os dois exemplos acima são formados apenas por orações coordenadas assindéticas. Perceba que há vírgulas separando cada oração e que em nenhuma delas há a presença de conjunções.

Orações coordenadas sindéticas

As orações coordenadas sindéticas são aquelas que são introduzidas por conjunções. São divididas em cinco tipos: aditivas, adversativas, alternativas, conclusivas e explicativas

Tipos de orações coordenadas sindéticas

  • Aditivas: transmitem ideia de adição ou soma entre as orações. As principais conjunções aditivas são: e, nem, mas também.

Ex.: Carlos não trabalha nem estuda.

  • Adversativas: transmitem ideia de oposição ou contraste entre as orações. As principais conjunções adversativas são: mas, porém, contudo, entretanto, no entanto, todavia.

Ex.: Queria muito viajar nessas férias, mas não poderei.

  • Alternativas: transmitem ideia de alternância ou de exclusão entre as orações. As principais conjunções alternativas são: ou, ou… ou, quer… quer, ora… ora.

Ex.: Ora Marina brincava, ora Marina estudava.

  • Conclusivas: transmitem ideia de conclusão entre as orações. As principais conjunções conclusivas são: portanto, logo, por isso.

Ex.: Leôncio vive sorrindo, portanto deve ser uma pessoa alegre.

  • Explicativas: transmitem ideia de explicação entre uma oração e a outra. As principais conjunções explicativas são: porque, pois, que.

Ex.: Tenha cuidado, pois você pode se machucar.

Dicas para identificar as orações coordenadas

Segue uma lista de dicas para você identificar as orações coordenadas e mandar bem na prova:

  • Analise a ideia que há entre uma oração e a outra. Ocorre muitas vezes de aparecer uma conjunção desconhecida ou mesmo de esquecermos qual o sentido de uma conjunção. Portanto, preste sempre bastante atenção em que tipo de ideia está sendo estabelecido entre as orações.
  • Preste atenção nas conjunções. Localize sempre a conjunção que liga as duas orações antes de classificá-las.
  • Troque a conjunção por uma conjunção conhecida. Quando aparecer uma conjunção da qual você não se lembrar, troque mentalmente pelas conjunções que você lembra, até encontrar uma que mantenha o mesmo sentido entre as orações.
  • Coloque ponto-final entra as orações. Para se certificar de que o período é composto por coordenação, coloque ponto final entre as orações. Se as orações fizerem sentido sozinhas, isso significa que são orações coordenadas.

Ex.: Tenha cuidado, pois você pode se machucar.

Tenha cuidado. Você pode se machucar.

  • A conjunção pois, apesar de ser explicativa, pode ser usada como conclusiva. Contudo, sempre que o pois for conclusivo, ele virá após um verbo e entre duas vírgulas, uma antes e uma depois dele.

Ex.: Leôncio vive sorrindo, deve, pois, ser uma pessoa alegre.

  • Não confunda explicação com causa, pois as conjunções explicativas podem também ser causais. Para distinguir, observe se a conjunção explica o motivo de algo ter ocorrido ou se apresenta a o que causou aquilo.

Ex.: Estou cansado, pois estudei muito. (causa)

Estude bastante, pois seu futuro dependerá disso. (explicação)

  • A conjunção mas só será aditiva quando acompanhada do termo também.

Conclusão

Você viu neste artigo o que é oração coordenada e quais são os seus tipos. Agora que tal fazer uns exercícios para treinar?

Um grande abraço, e até a próxima!

Exercícios

1 – (Fuvest-2001) Considerando-se a relação lógica existente entre os dois segmentos dos provérbios adiante citados, o espaço pontilhado NÃO poderá ser corretamente preenchido pela conjunção MAS, apenas em:

a) Morre o homem, (…) fica a fama.
b) Reino com novo rei (…) povo com nova lei.
c) Por fora bela viola, (…) por dentro pão bolorento.
d) Amigos, amigos! (…) negócios à parte.
e) A palavra é de prata, (…) o silêncio é de ouro.

 

2 – (Fuvest) Dentre os períodos transcritos abaixo, um é composto por coordenação e contém uma oração coordenada sindética adversativa. Assinalar a alternativa correspondente a esse período.

a) A frustração cresce e a desesperança não cede.
b) O que dizer sem resvalar para o pessimismo, a crítica pungente ou a auto absolvição?
c) É também ocioso pensar que nós, da tal elite, temos riqueza suficiente para distribuir.
d) Sejamos francos.
e) Em termos mundiais somos irrelevantes como potência econômica, mas ao mesmo tempo extremamente representativos como população.

 

3 – (FCMMG-2012) “Somos pacifistas mas não abrimos mão de estudos e manipulações científicas que se entrelaçam, quer para fins bélicos ou pacíficos”.

A conjunção mas, destacada no fragmento, estabelece relação lógico-semântica de

a) adição
b) explicação
c) concessão
d) alternância
e) adversidade

 

4 –  (UFSM) – Assinale a sequência de conjunções que estabelecem, entre as orações de cada item, uma correta relação de sentido.

Correu demais, … caiu.
2. Dormiu mal, … os sonhos não o deixaram em paz.
3. A matéria perece, … a alma é imortal.
4. Leu o livro, … é capaz de descrever as personagens com detalhes.
5. Guarde seus pertences, … podem servir mais tarde.

a) porque, todavia, portanto, logo, entretanto
b) por isso, porque, mas, portanto, que
c) logo, porém, pois, porque, mas
d) porém, pois, logo, todavia, porque
e) entretanto, que, porque, pois, portanto

 

5 – (Marinha-2010) Assinale a opção em que o período não é construído de orações coordenadas.

a) “Nesta perseguição do acidental, quer num flagrante de esquina, quer nas palavras de uma criança ou num acidente doméstico, torno-me simples espectador e perco a noção do essencial”.

b) “Não sou poeta e estou sem assunto”.

c) “Ao fundo do botequim, um casal de pretos acaba de sentar-se numa das últimas mesas de mármore ao longo da parede de espelhos”.

d) “O pai se mune de uma caixa de fósforo, e espera”.

e) “A negrinha agarra finalmente o bolo com as duas mãos sôfregas e põe-se a comê-lo”.

 

Gabarito

1 – B

2 – E

3 – E

4 – B

5 – C

comentários (1)

Deixe um comentário

© 2012-2019 Canal do Ensino | Guia de Educação

Voltar para o topo