Você está aqui:Home » Dicas » Estudantes » O que levar e não levar para o ENEM?

O que levar e não levar para o ENEM?

Olá leitores!

A fase do ENEM e dos vestibulares estão se aproximando e com eles, a tensão e ansiedade que essas avaliações provocam em todos os estudantes do país, e isso é absolutamente normal, afinal de contas, é a partir dos resultados dessas provas que está o futuro de grande parte da população jovem do país, por isso a dedicação e disciplina é tão importante durante os estudos.

Mas afinal, o que é o ENEM?

O que é o ENEM?

dicas para ENEM

Fonte: Shutterstock

O ENEM, ou Exame Nacional do Ensino Médio, é uma das formas de avaliação mais importantes do Brasil, realizada pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira e vinculada ao Ministério da Educação, MEC.

O ENEM foi criado em 1998 com, o objetivo de avaliar a qualidade do ensino médio no Brasil mas, atualmente, o resultado da prova pode ser usado para que o estudante entre em universidades particulares e públicas do país, através do SiSU (Sistema de Seleção Unificada). Hoje o exame é tão importante, que é possível usar sua pontuação para se matricular em faculdades no exterior. A cada ano a prova conta com mais inscritos, em 2017 foram 7,6 milhões de inscrições registradas, divididas em 1.661 municípios brasileiros.

O ENEM é considerado o maior exame realizado no Brasil de acordo com o RankBrasil – Recordes Brasileiros, e o segundo maior no mundo, ficando atrás apenas do Gāo Kao, que é o exame admissional, um tipo de vestibular, realizado para que os jovens possam cursar o ensino superior na República Popular da China.

Outro motivo para a realização do ENEM é que muitas pessoas tem o interesse de entrar em universidades particulares com bolsa integral através do ProUni, Programa Universidade para Todos, ou ainda para obter financiamento estudantil por meio do Fies (Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior.

Entre os anos de 2009 e 2016, o ENEM foi utilizado para oferecer certificação de conclusão do ensino médio em cursos do EJA, que significa Educação para Jovens e Adultos. Ele substituiu o Encceja (Exame Nacional para Certificação de Competência de Jovens e Adultos), que voltou a ser realizado em 2017.

História do ENEN

O ENEM foi criado em 1998 durante o governo Fernando Henrique Cardoso pelo ministro da educação daquela época, que era Paulo Renato Souza, com o objetivo inicial de avaliar o aprendizado dos alunos do ensino médio em todo país anualmente.

Essa foi a estratégia encontrada pelo ministério para que, a partir de seus resultados, fossem elaboradas políticas estruturais e pontuais de melhoria do ensino brasileiro por meio dos PCNs (Parâmetros Curriculares Nacionais), dos ensinos fundamentais e médio, que permitiram a promoção de alterações a partir do cruzamento de dados obtidos no ENEN.

Outra função do ENEM foi o de promover mudanças na grade curricular do ensino médio, por essa razão, gradualmente, foi-se aumentando a importância do exame, tanto que em sua segunda edição, 93 instituições de ensino superior utilizou o ENEM como modalidade alternativa para o ingresso ao ensino superior.

Entre os 10 primeiros anos de prova, o primeiro modelo do ENEM apresentava 63 questões, todas elas aplicadas em apenas um dia de prova. Essa foi a primeira iniciativa do governo federal para a realização de uma avaliação geral do sistema de ensino no país.

A partir do ano de 2009, durante o governo Luiz Inácio Lula da Silva, e do ministro da educação, Fernando Haddad, foi implantado um novo formato para o ENEM, no qual foi proposto uma forma unificada para o vestibular das universidades federais no Brasil. Desde então, a prova passou a ser realizada em dois dias, e seu conteúdo passou a ser de 180 questões objetivas em uma redação.

Ainda em 2009, foi adotada a TRI, ou seja, a Teoria da Resposta ao Item na formulação da prova. A TRI permite que as notas alcançadas em edições anteriores do ENEM sejam comparadas e utilizadas para o ingresso nas instituições de ensino superior.

O responsável pela implementação do TRI foi o professor doutor Heliton Tavares que era Diretor do INEP (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira.

Dentro desse planejamento do ENEM estava inclusa a realização do exame pelo menos duas vezes ao ano, começando em 2012, além da subdivisão do exame em sub-regiões, levando a formação de Centros de Aplicação espalhados pelo país, sendo que sua concentração maior seria dentro da instituições federais em que os inscritos poderiam agendar o exame.

Entretanto, para a realização dessa etapa do planejamento, seria preciso que houvesse um grande banco de questões previamente calibradas pela TRI, garantindo assim, que os resultados pudessem ser comparados.

O ENEM passou então a ser usado como exame de acesso para o ensino superior por todas as universidades públicas do Brasil por meio do SiSU, no qual os candidatos poderiam se inscrever para as vagas disponíveis nas universidades cadastradas no sistema para participar dessa seleção.

O uso do ENEM e do SISU ainda não é obrigatório para o ingresso às universidades brasileiras, por isso, algumas instituições de ensino superior ainda utilizam os vestibulares como forma de seleção de candidatos às vagas.

Em 2012, os critérios para a correção das redações foram alteradas devido a uma série de críticas, desde então essa parte da prova passou a ser corrigida por três corretores e não dois, como acontecia nos anos anteriores.

No ano de 2011, foi criado o programa Ciências sem Fronteiras, em que são oferecidas bolsas de intercâmbio para estudar em instituições fora do país. As vagas foram destinadas à alunos dos cursos de biologia e  meio ambiente, engenharia e tecnologia.

Para que o candidato possa concorrer a bolsa do programa é preciso que ele atinja pelo menos 600 pontos na prova do Enem.

Conteúdo do ENEN

Os assuntos abordados no ENEM são: Ciências da natureza e suas tecnologias, ciências humanas e suas tecnologias, linguagem, códigos e suas tecnologias matemática e suas tecnologias, redação e competências e habilidades. Veja agora detalhadamente cada uma delas:

Ciências da Natureza e suas tecnologias

No ENEM, a avaliação das ciências da natureza e suas tecnologias abrange basicamente as disciplinas de química, física e biologia. Entretanto, os elaboradores das questões em ENEM costumam relacionar as diferentes disciplinas em uma mesma questão para avaliar se o candidato consegue dominar os três conceitos em apenas um enunciado.

Alguns exemplos que podem relacionar as três áreas do conhecimento nas questões do ENEM são: petróleo, energia, lei seca, biotecnologias, entre outros assuntos.

Ciências Humanas e suas tecnologias

No ENEM o conteúdo de ciências humanas e suas tecnologias engloba as disciplinas de História, Sociologia, Filosofia e Geografia. Assim como o conteúdo de ciências da natureza e suas tecnologias, essa área do conhecimento também pode conter questões no qual os quatro temas poderão ser usados em um enunciado.

Essas competências tem o objetivo de avaliar a visão do mundo e o comportamento ético dos candidatos, e suas questões são carregadas de trechos de livros para a realização de questões relacionadas a identidade cultural, de território, direito, revolução comportamental, Estado, democracia, cidadania e evolução tecnológica, além do uso de trechos de documentos, cartas e gravuras históricas.

Linguagens, Códigos e suas Tecnologias

Já a parte de linguagem, códigos e suas tecnologias, abrangem os conteúdos relacionados à Literatura, Língua Portuguesa, Língua estrangeira (o candidato pode escolher entre espanhol ou inglês), educação física, artes, informática, e redação.

Com relação as questões de literatura do ENEM, são indicadas algumas leituras obrigatórias para a realização da prova. Essas obras são, em sua grande maioria, de autores da literatura portuguesa e brasileira. Já as questões de educação física estão relacionadas com temas como:

  • Cultura folclórica
  • Esporte
  • Danças
  • Qualidade de vida, entre outros.

As questões de educação física utiliza a aplicação prática da vida cotidiana e as atividades realizadas no dia-a-dia. Ainda é levado em consideração a fisiologia do exercício e seus benefícios e seus aspectos culturais, sociais, linguagem, expressão corporal e arte.

Matemática e suas Tecnologias

A prova de matemática do ENEM apresenta questões com tópicos voltados para geometria, aritmética, entre outros conteúdos relacionados a matéria, e sempre relacionando as questões ao cotidiano do brasileiro.

Redação

No ENEM, a prova de redação é o que possui maior pontuação. Ela exige que o candidato redija um texto dissertativo argumentativo de no máximo 30 linhas e um mínimo de 7 ou 8 linhas. Os avaliadores da redação do ENEM preza pelo ensino analítico que dá maior importância à análise crítica, à reflexão e ao raciocínio.

Os assuntos escolhidos para serem abordados na redação do ENEM são sempre aqueles que estão aquecidos pela mídia e que permite o debate aberto sobre o assunto. Abaixo são apresentados os temas que já foram utilizados no ENEM:

  • 1998: Viver e aprender
  • 1999: Cidadania e participação social
  • 2000: Direitos da criança e do adolescente: como enfrentar esse desafio nacional?
  • 2001: Desenvolvimento e preservação ambiental: como conciliar os interesses em conflito?
  • 2002: O direito de votar: como fazer dessa conquista um meio para promover as transformações sociais que o Brasil necessita?
  • 2003: A violência na sociedade brasileira: como mudar as regras desse jogo
  • 2004: Como garantir a liberdade de informação e evitar abusos nos meios de comunicação
  • 2005: O trabalho infantil na sociedade brasileira
  • 2006: O poder de transformação da leitura
  • 2007: O desafio de se conviver com as diferenças
  • 2008: Como preservar a floresta Amazônica: suspender imediatamente o desmatamento; dar incentivo financeiros a proprietários que deixarem de desmatar; ou aumentar a fiscalização e aplicar multas a quem desmatar
  • 2009: O indivíduo frente à ética nacional
  • 2010: O trabalho na construção da dignidade humana
  • 2011: Viver em rede no século XXI: os limites entre o público e o privado
  • 2012: Movimento imigratório para o Brasil no século XXI
  • 2013: Efeitos da implantação da Lei Seca no Brasil
  • 2014: Publicidade infantil em questão no Brasil
  • 2015: A persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira
  • 2016.1: Caminhos para combater a intolerância religiosa no Brasil
  • 2016.2: Caminhos para combater o racismo no Brasil
  • 2017: Desafios para a formação educacional dos surdos no Brasil

Para facilitar o desenvolvimento do raciocínio durante a prova e evitar que  haja rasurar na folha oficial de redação, a organização do ENEM oferece um espaço destinado para o rascunho da redação. Somente a redação é avaliada, o rascunho, planos de texto, entre outras anotações não são consideradas durante a correção da prova.

As instruções para a realização da redação do ENEM vem acompanhada de enunciado que sugere o tema, algumas questões que poderão ser respondidas dentro da redação e, em alguns casos, uma antologia de textos ou desenhos produzidos por artistas nacionais para auxílio do reconhecimento do tema a ser abordado.

Depois de apresentada a situação-problema, que pode ser do ponto de vista cultural, político ou social, é solicitado que o candidato reflita sobre o que foi abordado no enunciado, que ele argumente e apresente uma solução prática para o problema proposto. Vale ressaltar que, o critério mais importante durante a correção da redação do ENEM é, sem dúvidas, o posicionamento do candidato diante do tema proposto.

Como o candidato revela seu posicionamento diante do tema proposto? A partir da apresentação de seus conhecimentos teóricos e de seu repertório, que pode ser baseado na leitura de livros, jornais e revistas, a partir de informações obtidas de noticiários televisivos, com o objetivo de construir uma argumentação convincente a favor de seu ponto de vista.

De acordo com o site do ENEM, para que o candidato consiga elaborar uma boa redação estão: “os eixos cognitivos (aqueles comuns a todas as áreas do conhecimento), que incluem as competências e habilidades, como dominar linguagens, compreender fenômenos, enfrentar situações-problema, construir argumentação e elaborar propostas.”

A correção da redação é realizada por dois corretores, sendo que um não sabe qual a nota que o outro deu. Ao final, é calculada a média aritmética da nota que vai até mil pontos. Se houver diferença de notas entre os dois corretores de 200 pontos ou mais no total, ou de e 80 ou mais pontos em qualquer uma das competências, essa determinada redação é corrigida por um terceiro corretor. Por sua vez, se a nota desse terceiro corretor também apresentar discrepância, a redação é novamente avaliada por uma nova banca composta por três novos corretores, que irão dar a nota final.

A redação do ENEM ainda considera cinco competências para a sua avaliação que são: domínio da norma padrão da língua escrita; compreensão da proposta, construção da argumentação, seleção, organização e interpretação de informações e elaboração de proposta de solução para o problema abordado.

Competências e habilidades

Para a estruturação do ENEM são consideradas cinco competências que são definidas considerando as modalidades estruturais da inteligência, ações e operações, que são utilizadas para determinar relações com e entre situações, objetos, pessoas que desejamos conhecer e fenômenos.

Além disso são consideradas 21 habilidades, que são definidas de acordo com as competências adquiridas referentes plano imediato do “saber fazer”, baseada em ações e operações.

As competências e habilidades consideradas no ENEM são:

Competências I Dominar a norma culta da língua portuguesa e fazer uso da linguagem matemática, artística e científica.

II Construir e aplicar conceitos das várias áreas do conhecimento para a compreensão de fenômenos naturais, de processos histórico-geográficos, da produção tecnológica e das manifestações artísticas.

III Selecionar, organizar, relacionar, interpretar dados e informações representados de diferentes formas, para tomar decisões e enfrentar situações-problema.

IV Relacionar informações, representadas em diferentes formas, e conhecimentos disponíveis em situações concretas, para construir argumentação consistente.

V Recorrer aos conhecimentos desenvolvidos na escola para elaboração de propostas de intervenção solidária na realidade, respeitando os direitos humanos e considerando a diversidade sociocultural.

Habilidades

1 Dada a descrição discursiva ou por ilustração de um experimento ou fenômeno, de natureza científica, tecnológica ou social, identificar variáveis relevantes e selecionar os instrumentos necessários para sua realização ou interpretação.

2 Em um gráfico cartesiano de variável socioeconômica ou técnico-científica, identificar e analisar valores das variáveis, intervalos de crescimento ou decréscimo e taxas de variação.

3 Dada uma distribuição estatística de variável social, econômica, física, química ou biológica, traduzir e interpretar as informações disponíveis ou reorganizá-las, objetivando interpolações ou extrapolações.

4 Dada uma situação-problema, apresentada em uma linguagem de determinada área de conhecimento, relacioná-la com sua formulação em outras linguagens e vice-versa.

5 A partir da leitura de textos literários consagrados e de informações sobre concepções artísticas, estabelecer relações entre eles e seu contexto histórico, social, político ou cultural, inferindo as escolhas dos temas, gêneros discursivos e recursos expressivos dos autores.

6 Com base em um texto, analisar as funções da linguagem, identificar marcas de variantes linguísticas de natureza sociocultural, regional de registro ou de estilo e explorar as relações entre as linguagens coloquial e formal.

7 Identificar e caracterizar a conservação e as transformações de energia em diferentes processos de sua geração e uso social e comparar diferentes recursos e opções energéticas.

8 Analisar criticamente, de forma qualitativa ou quantitativa, as implicações ambientais, sociais e econômicas dos processos de utilização dos recursos naturais, materiais ou energéticos.

9 Compreender o significado e a importância da água e de seu ciclo para a manutenção da vida, em sua relação com condições socioambientais, sabendo quantificar variações de temperatura e mudanças de fase em processos naturais e de intervenção humana.

10 Utilizar e interpretar diferentes escalas de tempo para situar e descrever transformações na atmosfera, biosfera, hidrosfera e litosfera, origem e evolução da vida, variações populacionais e modificações no espaço geográfico.

11 Diante da diversidade da vida, analisar, do ponto de vista biológico, físico ou químico, padrões comuns nas estruturas e nos processos que garantem a continuidade e a evolução dos seres vivos.

12 Analisar fatores socioeconômicos e ambientais associados ao desenvolvimento, às condições de vida e saúde de populações humanas, por meio da interpretação de diferentes indicadores.

13 Compreender o caráter sistêmico do planeta e reconhecer a importância da biodiversidade para preservação da vida, relacionando condições do meio e intervenção humana.

14 Diante da diversidade de formas geométricas planas e espaciais, presentes na natureza ou imaginadas, caracterizá-las por meio de propriedades, relacionar seus elementos, calcular comprimentos, áreas ou volumes e utilizar o conhecimento geométrico para leitura, compreensão e ação sobre a realidade.

15 Reconhecer o caráter aleatório de fenômenos naturais ou não e utilizar em situações-problema processos de contagem, representação de freqüência relativa, construção de espaços amostrais, distribuição e cálculo de probabilidades.

16 Analisar, de forma qualitativa ou quantitativa, situações-problema referentes a perturbações ambientais, identificando fonte, transporte e destino dos poluentes, reconhecendo suas transformações, prever efeitos nos ecossistemas e sistema produtivo e propor formas de intervenção para reduzir e controlar os efeitos da poluição ambiental.

17 Na obtenção e produção de materiais e insumos energéticos, identificar etapas, calcular rendimentos, taxas e índices e analisar implicações sociais, econômicas e ambientais.

18 Valorizar a diversidade dos patrimônios etnoculturais e artísticos, identificando-a em suas manifestações e representações em diferentes sociedades, épocas e lugares.

19 Confrontar interpretações diversas de situações ou fatos de natureza históricogeográfica, técnico-científica, artístico-cultural ou do cotidiano, comparando diferentes pontos de vista, identificando os pressupostos de cada interpretação e analisando a validade dos argumentos utilizados.

20 Comparar processos de formação socioeconômica, relacionando-os com seu contexto histórico e geográfico.

21 Dado um conjunto de informações sobre uma realidade histórico-geográfica, contextualizar e ordenar os eventos registrados, compreendendo a importância dos fatores sociais, econômicos, políticos ou culturais. ”

O que levar para o ENEM

Agora que você sabe um pouco mais sobre o ENEM, é hora de conversarmos um pouco sobre o que pode e o que não pode levar para a realização da prova. Se você acha que isso não é relevante, saiba que ao descumprir as regras impostas pela organização da prova você pode ser expulso do local da prova e sua prova ainda será zerada.

O edital do ENEM deixa claro quais os materiais que você pode carregar para o local de prova. Veja quais são os itens e outras dicas para que você possa realizar sua prova com tranquilidade. Confira:

Documentos:

Sem o documento oficial de identidade você não faz a prova do ENEM. Confira desde já se ele está em bom estado e o deixe à mão. Veja abaixo a lista de documentos que podem ser apresentados no dia da prova:
-RG;
-Carteira de Trabalho e Previdência Social;
-Passaporte;
-Certificado de Reservista ou de Dispensa;
-Carteira Nacional de Habilitação;
-Identificação fornecida por ordens ou conselhos de classes que por Lei tenham validade como documento de identidade.

OBS: Em caso de roubo ou extravio do documento, o candidato deve apresentar o Boletim de Ocorrência, emitido no máximo, 90 dias antes das provas, nesse caso será realizado um método de identificação exclusivo, com coleta de alguns dados e assinatura em formulário específico.

Além disso, você deve levar?

Caneta preta

A organização deixa claro que só poderá ser usada caneta esferográfica preta com tubo transparente. O recomendado é levar mais de uma caneta, pois, caso uma pare de funcionar você tem outra de reserva.

Cartão de inscrição

Esse não é exatamente um item obrigatório, mas é interessante que você leve para a consultar, mais rapidamente, o número e prédio onde se encontra a sala que você vai fazer a prova.

Água e alimentos

Por ser um prova bastante demorada, no primeiro dia, são 5 horas e meia de avaliação e, no segundo, 5 horas, é interessante que você leve água e alguma coisa para comer, sendo que o mais recomendado são alimentos leves e nutritivos, como por exemplo, Água de coco, Água sem gás, Mix de castanha do Pará e amêndoas, Maçã e Chocolate 70% cacau.

Apesar de ser permitido que o candidato leve lanches para consumir durante a realização do ENEM, alguns cuidados precisam ser tomados, por exemplo, as bebidas devem ser levadas em recipiente transparente e sem rótulo; você pode levar os alimentos em embalagens originais e lacradas, mas se abrir a embalagem antes de entrar na sala, os fiscais de sala irão despejar o conteúdo em um saco plástico.

Os fiscais de sala tem permissão para vistoriar os lanches antes que o candidato entre na sala para a realização da prova. Esse procedimento foi adotado na edição de 2017 da prova.

Roupa

O indicado é que o candidato que irá realizar a prova do ENEM use roupa confortável para ir realizar a prova, pois, como a prova é muito longa, usar algo apertado pode incomodar e deixar a pessoa desconcentrada. Bermudas e chinelos são permitidos, pois, em muitas regiões do país faz muito calor na época do exame, e nem todas as instituições possui ventilação adequada para o clima local.

O que não levar para o ENEM

A organização do ENEM também impõem algumas limitações para o candidatos da prova.Veja agora o que não pode ser levado para a realização da prova.

Equipamentos eletrônicos

Não é permitida a entrada de pessoas que estejam com  objetos como calculadora, agenda eletrônica, tablet, ipod, gravador, pen drive, mp3, relógio, receptores e transmissores de dados e mensagens.

Acessórios

A organização também deixa claro que o participante não deve comparecer ao Enem com óculos escuros, boné, chapéu, gorro, viseira e/ ou similares.

Materiais escolares

 Também não é permitido que o candidato entre na sala com materiais escolares como: lápis, lapiseira, borracha, caneta com material não transparente, livros, anotações e impressos gerais.

E o celular?

O candidato até pode levar seu celular para o local que irá fazer o ENEM mas, antes de entrar na sala o aparelho deve ser desligado e colocado em uma embalagem lacrada que será entregue pelo fiscal de sala.

Outros objetos como chave de carro e moedas também deverão ser colocados nessa embalagem fornecida pelo fiscal. Se você ficar com um desses objetos no bolso e eles forem detectados pela fiscalização, você será eliminado da prova.

Agora que você sabe o que pode e o que não pode ser levado para o ENEM, continue se preparando para o exame e boa sorte!

Até a próxima!

 

 

 

Deixe um comentário

© 2012-2019 Canal do Ensino | Guia de Educação

Voltar para o topo