Você está aqui:Home » Dicas » Arte e Cultura » Museu do Ipiranga oferece diversos recursos on-line gratuitos

Museu do Ipiranga oferece diversos recursos on-line gratuitos

Olá, leitor(a)!  

Na última quarta-feira, 7 de setembro de 2022, o Museu do Ipiranga reabriu suas portas para visitação após 9 anos fechado. O evento foi marcado por uma grandiosa cerimônia, com shows de prestigiados(as) artistas brasileiros(as), como o rapper Criolo, o fenômeno das mídias Juliette e a rainha do axé baiano Margareth Menezes.  

A instituição, entretanto, nunca deixou de viabilizar o acesso ao seu acervo. Por meio de muito estudo e determinação, os(as) profissionais responsáveis pela administração do patrimônio disponibilizam inúmeros recursos on-line e gratuitos para fruição do público. Com eles, é possível viajar pelos espaços do Museu, apreciar obras, conhecer histórias e muito mais.   

Recursos on-line gratuitos do Museu do Ipiranga 

Usando uma expressão bastante compartilhada na internet, o Museu do Ipiranga se diz “on” há muito tempo. Isso porque sua primeira página web foi criada em 1999. Atualmente, a entidade é gerenciada pela Universidade de São Paulo (USP) e atua em diferentes segmentos midiáticos: YouTube, Instagram, LinkedIn, aplicativo Museu do Ipiranga Virtual e podcast Ecos do Ipiranga. 

Dessa maneira, o Museu cumpre sua função de preservação do material histórico do nosso país e amplia ainda mais o conhecimento sobre suas obras e produções científicas e acadêmicas. Para que nossos leitores e leitoras conheçam um pouco dos conteúdos promovidos pela instituição, nós listamos 7 recursos on-line gratuitos. Confira:  

Museu do Ipiranga oferece diversos recursos on-line gratuitos

Fonte: Reprodução

1. Diário do Novo Museu do Ipiranga

Disponível no canal oficial do Museu no YouTube, essa série cobre todo o processo de reforma e ampliação do prédio e restauração das peças do acervo que permaneceram no local. Até o momento, a sequência reúne 13 episódios com profissionais e especialistas que explicam detalhadamente os cuidados e procedimentos feitos em cada item da coleção e em cada espaço da estrutura arquitetônica. Para ver todos os vídeos, clique aqui.  

2. Encontro com acervos

Também disponível no YouTube, essa sequência de vídeos busca estreitar a relação entre o público e as coleções. Nela, os objetos e obras que estão expostos no Novo Museu do Ipiranga são apresentados por um grupo de historiadores(as). O 2º episódio, por exemplo, conta um pouco sobre a “chocadeira”, utensílio doméstico da exposição Casas e Coisas que revela muito sobre a sociedade paulistana que o utilizava. Para ver a série completa, clique aqui.  

3. Repensando a memória da Independência – Pt. 1 

Parte do podcast Ecos do Ipiranga, apresentado pela youtuber e estudante de história Débora Aladim, este episódio integra uma série de 3 conteúdos que buscam analisar a Proclamação da Independência sob diferentes perspectivas. Nele, a pesquisadora doutora Michelli Scapol Monteiro discute diversos aspectos de Independência ou Morte!, do paraibano Pedro Américo de Figueiredo e Melo. Para ouvir o episódio completo, clique aqui.  

4. Como a Independência do Brasil foi contada pela História

Esse é mais um episódio do podcast, desta vez recebendo como convidada Cecilia Helena Salles, doutora em história social e docente sênior do Museu do Ipiranga. O propósito desse programa é trazer à luz capítulos pouco abordados do processo de Independência do Brasil, com discussões que explicam esse momento com muito mais entusiasmo que os livros didáticos. Para ouvir o episódio completo, clique aqui. 

5. A Independência do Brasil na tela

Por meio de uma parceria com o Google Arts & Culture, o Museu disponibiliza acesso a centenas de obras de sua coleção. Além disso, convida os(as) usuários(as) para visitarem A Independência do Brasil na tela: Imaginando o grito do Ipiranga. Trata-se de uma exposição on-line que também analisa minuciosamente a pintura Independência ou Morte!, mas com a visualização do quadro e os esboços de cada item dele. A ideia é direcionar os olhares para as etapas de construção de uma obra de arte e os estudos por trás dela. Para visitar a mostra, clique aqui.  

6. Jogo M.I.D

Para tornar a experiência do público mais divertida, a organização produziu um aplicativo voltado especificamente para a realidade virtual. A partir da utilização da Inteligência Artificial, o(a) visitante consegue ter seu próprio avatar e se aventurar com ele pela instituição. Além disso, há jogos e brincadeiras, como é o caso do M.I.D (Museu do Ipiranga em Defesa), cuja missão é salvar o Museu de androides que querem destruí-lo. O recurso está disponível no Google Play, na App Store e na biblioteca da Microsoft.  

7. Dirigíveis Santos Dumont

Também disponível no aplicativo, esse item possibilita ao(à) usuário(a) realizar um passeio virtual de balão pelo Jardim Francês e visitar a mostra aérea Dirigíveis Santos Dumont. Assim, o avatar do(a) visitante tem a oportunidade de usufruir das reformas realizadas na área externa, com lindas fontes que haviam sido removidas décadas antes do fechamento do Museu, e conhecer tudo sobre as criações de um dos maiores inventores de todos os tempos. O recurso está disponível no Google Play, na App Store e na biblioteca da Microsoft. 

Museu do Ipiranga 

Inaugurado em 7 de setembro de 1895, o Museu do Ipiranga — cujo nome oficial é Museu Paulista da Universidade de São Paulo — foi concebido com o propósito de se tornar um símbolo da Proclamação da Independência. O edifício não só conta com uma deslumbrante fachada, digna de qualquer construção europeia, como também possui seu próprio Jardim Francês.

Em 2013, sofrendo risco de desabamento, a instituição fechou as portas para o público e sua coleção de quase 450 mil peças foi distribuída em diferentes locais do bairro do Ipiranga. A restauração teve início apenas em 2019, e o complexo reabriu este ano, 2022, em celebração ao Bicentenário da Independência do Brasil.  

O local traz diversas novidades, como um mirante que oferece uma visão de 360° de São Paulo, 2 fontes que haviam sido retiradas no início da década de 1970 e percursos de exposições internacionais. Esta última conquista só foi possível graças à instalação de ar-condicionado, permitindo ao Museu abrigar coleções de outras organizações — o que nunca tinha feito em sua história.  

Esses recursos são uma ótima opção para quem está sem tempo ou não mora em São Paulo, né? Compartilhe nosso texto nas redes sociais para que mais pessoas tenham oportunidade de conhecer as histórias e os patrimônios do Brasil!  

No Canal do Ensino, leia também: 

Bom entretenimento e até logo!  

Deixe um comentário

© 2012-2019 Canal do Ensino | Guia de Educação

Voltar para o topo