Você está aqui:Home » Dicas » Professores » Interdisciplinaridade: o que é, conceitos e como aplicar na educação

Interdisciplinaridade: o que é, conceitos e como aplicar na educação

Olá, leitor!

Você já se deparou com o desafio de preparar um projeto interdisciplinar na escola? Se sim, provavelmente surgiram muitas dúvidas como estas: como trabalhar a interdisciplinaridade em todas as fases da formação educacional, nas series iniciais do ensino fundamental e no ensino médio?

Quais ações precisam ser introduzidas na escola para que a interdisciplinaridade aconteça?

Hoje vamos conversar sobre a importância da interdisciplinaridade na escola, os desafios e conquistas, entender o que é, principais conceitos e apresentar exemplos que irão ajudar você a aplicar a interdisciplinaridade na educação. Confira!

O que é interdisciplinaridade na educação?

interdisciplinaridade-na-educacao

A interdisciplinaridade é uma forma de ensino, e ocorre quando se relacionam os conteúdos de diferentes disciplinas, para estudar um tema com o objetivo de capacitar o aluno, e aplicar os conhecimentos específicos de cada área na análise e verificação desse tema.

O que exige uma nova postura diante do conhecimento, uma atitude de contextualizar, de formar uma pessoa íntegra e que possui saberes que vão além dos limites das disciplinas, saberes globalizados.

Por exemplo, ao trabalhar conteúdos de Ciências Naturais de forma interdisciplinar, os alunos fazem pesquisas buscando informações, fazem registros de observações, anotam e quantificam dados. Nestas atividades, os estudantes utilizam-se de conhecimentos relacionados à Língua Portuguesa, à Matemática, além de outras disciplinas.

Interdisciplinaridade e os temas transversais

Na interdisciplinaridade, os objetivos específicos de cada disciplina são preservados. O conceito de transversalidade e de transdisciplinaridade busca superar o limite da disciplina através do diálogo, tratando e contextualizando um tema/objetivo comum (transversal) entre diversas disciplinas.

A interdisciplinaridade é cobrada dos educadores pelo MEC (Ministério da Educação) através dos temas transversais apresentados nos PCN’s (Parâmetros Curriculares Nacionais), e que os alunos também são avaliados pelo ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio), principalmente na prova de redação, nas suas capacidades de analisar e organizar informações e também propor intervenções para problemas.

Segundo o MEC, os temas transversais são:

“são temas que estão voltados para a compreensão e para a construção da realidade social e dos direitos e responsabilidades relacionados com a vida pessoal e coletiva e com a afirmação do princípio da participação política. Isso significa que devem ser trabalhados, de forma transversal, nas áreas e/ou disciplinas já existentes”.

Resumindo, os temas transversais têm o objetivo de abordar em sala de aula, os conceitos e valores básicos à democracia e à cidadania e formar pessoas preparadas para propor intervenções, para os problemas que relacionam Ética, Saúde, Meio Ambiente, Pluralidade Cultural e Orientação Sexual, considerados temas de abrangência nacional e até mesmo de caráter universal.

Estes temas transversais foram escolhidos por envolverem problemáticas sociais atuais e urgentes, e o MEC propõem através dos PCNs que os educadores apliquem os mesmos através da interdisciplinaridade, estabelecendo um conhecimento escolar não fragmentado, e sim contextualizado com a sociedade.

De acordo com o MEC a contribuição da escola, portanto, é a de desenvolver projetos pedagógicos interdisciplinares, que desenvolvam as capacidades dos alunos de intervir na realidade e transformar a sociedade. Para isso, o MEC orienta que um projeto pedagógico seja orientado por 3 principais diretrizes:

“posicionar-se em relação às questões sociais e interpretar a tarefa educativa como uma intervenção na realidade no momento presente”;

 

“não tratar os valores apenas como conceitos ideais”;

 

“incluir essa perspectiva no ensino dos conteúdos das áreas de conhecimento escolar”.

Interdisciplinaridade na escola: desafios e conquistas

Há muitos desafios enfrentados pelos professores e coordenadores pedagógicos, para implementar a interdisciplinaridade na prática das escolas de forma efetiva. Os desafios não estão relacionados apenas aos recursos, materiais, tempo e infraestrutura da escola, vão além, e envolvem a formação profissional dos professores.

Atualmente é esperado que o professor seja esteja atualizado, um profissional que supera aquele licenciado e especialista num tema. Exige-se que o professor tenha uma formação de qualidade, mas que não é a realidade atual.

Nos cursos de licenciatura, por exemplo, a metodologia da interdisciplinaridade é abordada para discutir conceitos teóricos e muitas vezes não se elabora nenhum projeto interdisciplinar, nem mesmo nos programas de estágios.

Exige-se que o professor seja um aprendiz de saberes diversos, que saiba como lidar com alunos de diferentes contextos socioculturais e também com a equipe de professores da escola.

Outro desafio é que a interdisciplinaridade não tem um método definido, um passo a passo ou um guia para orientar o professor na sua aplicação. Consequentemente, esse cenário, exige que o professor tenha habilidades de planejamento e disposição para elaborar, estratégias e procedimentos em conjunto com os demais colegas e coordenadores.

Ao mesmo tempo em que a formação de qualidade é uma necessidade, o ganho de conhecimento ao trabalhar a interdisciplinaridade é uma conquista para os professores. Os professores que se dispõem a superar os limites específicos de sua disciplina e do comodismo da rotina, adquirem conhecimentos de outras áreas, passam a lidar com alunos mais motivados e engajados com as aulas e desenvolvem habilidades fortes de comunicação e parceria.

Planejamento de um projeto interdisciplinar

Nas escolas, normalmente a cada início de semestre, os responsáveis pela coordenação pedagógica se reúnem com os professores para elaborar os projetos educacionais.

O coordenador pedagógico tem um papel fundamental como mediador do planejamento do projeto. E se tratando de um projeto interdisciplinar, é necessário que o coordenador discuta o tema do ponto de vista conceitual e prático, e não perca de vista o currículo da série em que se pretende aplicar o projeto.

Se estes cuidados não forem considerados, corre-se o risco de elaborar um projeto interdisciplinar com trabalhados desconexos, em que não há sinergia e integração do conteúdo, apenas a interação de diferentes disciplinas sobre um tema de estudo.

Na prática, essa etapa inicial de planejamento, envolve reuniões em que o coordenador seleciona o conteúdo do tema de estudo considerando o currículo da série, os objetivos gerais e específicos de cada disciplina. E propõe que cada professor apresente sugestões de como integrar e articular as disciplinas, e a partir disso estabelece-se a relação do tema com os objetivos de cada disciplina, os pontos em comum, e então discutem entre si para estabelecer quais serão as atividades que serão conduzidas de forma integrada.

Preparar um projeto interdisciplinar exige que os educadores trabalhem em equipe, entre os professores das disciplinas envolvidas e entre a coordenação, além também de incentivar o trabalho em equipe entre os alunos.

O trabalho em equipe, a flexibilidade, a criatividade e a comunicação eficaz, são habilidades fundamentais para o sucesso de um projeto interdisciplinar. Já conversamos sobre isso no artigo que apresentamos as habilidades do professor moderno, veja as 10 habilidades do professor moderno.

Principais passos para elaborar um projeto interdisciplinar

  1. Reunião Pedagógica de Planejamento: reunião inicial com o objetivo de estabelecer quais disciplinas e tema, que farão parte do projeto interdisciplinar. Reúnem-se os professores de diferentes disciplinas e escolhe-se o tema interdisciplinar de preferência, que tenha uma relação prática com o dia a dia dos alunos.
  2. Estabelecer com clareza quais são as necessidades de aprendizagem dos alunos, estabelecendo competências e conhecimentos que os alunos irão desenvolver e os objetivos comuns entre as disciplinas.
  3. Com objetivos claros, são definidas então as atividades e os conteúdos interdisciplinares que farão parte do cronograma do projeto, e como cada professor irá abordar o tema interdisciplinar na prática, e também como irá avaliar a aprendizagem dos alunos.
  4. Estabelecimento dos recursos e do cronograma para executar o projeto interdisciplinar. Como qualquer projeto pedagógico é necessário planejar os recursos humanos, de equipamentos e materiais.
  5. Desenvolvimento do projeto interdisciplinar. Esta é a etapa prática do projeto, de introduzir o tema nas disciplinas, realizar atividades em sala, formação dos grupos de estudo, realizar trabalhos de campo, etc.
  6. Alunos, professores e coordenadores analisam os pontos positivos e negativos do projeto. Com essa análise a equipe pedagógica sugere mudanças na metodologia de aplicação da interdisciplinaridade.

Exemplos de projetos interdisciplinares

Como colocar em prática os temas transversais num projeto interdisciplinar? Veja alguns exemplos:

Projeto interdisciplinar do ensino fundamental

  1. Projeto desenvolvido para alunos de 10 e 11 anos com o tema Trabalho Infantil, tendo como temas transversais a ética e a pluralidade cultural, trabalhando as questões dos direitos da criança e adolescentes e a desigualdade social.
  2. Disciplinas envolvidas no projeto interdisciplinar: matemática, língua portuguesa e geografia
  3. Desenvolvimento das atividades:
    • Na disciplina de Matemática pode se trabalhar coletas de dados estatísticos, porcentagem, gráficos e realizar a análise dos dados coletados para refletir sobre a renda das famílias, a desigualdade social e as áreas mais atingidas na sociedade, relacionando possíveis causas e efeitos do trabalho infantil;
    • Na disciplina de geografia pode se trabalhar com mapas para localizar o trabalho infantil, as cidades/estados brasileiros mais atingidos, por exemplo, e ainda contextualizar com gráficos vistos na disciplina de Matemática;
    • Na disciplina de Português pode-se trabalhar com várias produções de texto, narrativas, entrevistas, cartas etc. Pode-se ainda escolher um texto que contextualize o trabalho infantil. Análise de reportagens, filmes e livros;

Projeto interdisciplinar do ensino médio

  1. Projeto desenvolvido para alunos de 15 e 17 anos com o tema da expansão marítima do século XV e povoamento da América.
  2. Disciplinas envolvidas no projeto interdisciplinar: história, geografia, ciências, língua portuguesa e literatura.
  3. Desenvolvimento das atividades:
    • Em História pode-se trabalhar os contextos históricos do século IV, principais navegadores, civilizações e a as contribuições destas civilizações, o povoamento da América e do Brasil.
    • Em Geografia pode-se abordar os mapas das rotas marítimas, cartografia, o clima e as paisagens encontradas pelos primeiros povos que chegaram às Américas, gráficos e dados dos povos que já se encontravam nas Américas e contexto atual, por exemplo, a questão dos índios no Brasil, no século XV e atualmente.
    • Em Ciências pode-se abordar os temas dos ecossistemas existentes, diversidade das espécies de animais e da flora e o impacto do povoamento, como a transmissão de doenças dos navegadores, desmatamento etc.
    • Em Língua Portuguesa e Literatura, pode se abordar as línguas faladas e a evolução da escrita no século XV. Pode-se trabalhar com Os Lusíadas, de Camões e poemas de Fernando Pessoa e contextualizar com a expansão de Portugal.

Para aprofundar seus conhecimentos sobre os fundamentos da prática pedagógica interdisciplinar, sugerimos a leitura dos livros “O que é interdisciplinaridade?” e “Práticas interdisciplinares na escola” organizados pela professora e palestrante Ivani Fazenda, da Cortez Editora, o primeiro publicado em 2008 e o segundo em 2011.

Compartilhamos várias dicas aqui no Canal do Ensino, você pode ler e se inspirar com esse ebook com experiências inovadoras de professores.

Como você pode perceber, é necessário que o professor tenha uma visão crítica sobre a teoria e a prática da interdisciplinaridade durante e após sua formação, que se coloque como aprendiz durante todo o processo de ensino e aprendizagem.

Como disse Jean-Jacques Rousseau:

A arte de interrogar não é tão fácil como se pensa. É mais uma arte de mestres do que de discípulos; é preciso ter aprendido muitas coisas para saber perguntar o que não se sabe.

Até breve!

Deixe um comentário

© 2012-2018 Canal do Ensino | Guia de Educação

Voltar para o topo