Você está aqui:Home » Dicas » Professores » Como levar o empreendedorismo para sala de aula?

Como levar o empreendedorismo para sala de aula?

Olá, leitor!

O empreendedorismo é um assunto atualmente abordado em praticamente todas as áreas: comércio, administração, tecnologia, saúde, educação. Você que trabalha em instituições educacionais pode estar se questionando: “como levar empreendedorismo para sala de aula?

O conceito de empreendedorismo que pode ser usado em todos os lugares, que requer mudanças e evolução. Com esse artigo tentaremos esclarecer suas dúvidas na aplicabilidade do empreendedorismo no ensino.

  • “O quê fazer?”;
  • “Como fazer?”;
  • As iniciativas que existem e deram certo no mundo;
  • A aplicabilidade em escolas brasileiras.

Quer saber mais? Confira!

Mas o que é o empreendedorismo de fato?

empreendedorismo

 

Conceito

Empreendedorismo é a iniciativa de mudar algo em uma empresa ou lugar. Implementar mudanças inovadoras, baseadas em idéias criativas seguidas de ação. O empreendedor é motivado pela criatividade e a busca de soluções tendo em vista a necessidade das pessoas.

Segundo o economista Joseph Schumpeter, o empreendedor é alguém versátil que possui habilidades técnicas para saber produzir. Refere-se a alguém que assuma riscos ao apostar em algo inovador que poderá trazer algum tipo de lucro futuro.

Podemos separar os empreendedores em categorias, como por exemplo:

  • O nato: começam muito cedo e acabam criando grande empresas. São os visionários, otimistas, comprometem-se 100% com seus sonhos;
  • O que aprende: geralmente se deparam com uma oportunidade de negócio e aprendem a gerir seu próprio empreendimento. Analisa mais antes de assumir riscos;
  • O corporativo: usam suas habilidade para ajudar as empresas a crescerem. São indivíduos tidos como ótimos gestores, vendedores, negociadores. Sabem autopromoverem e são autoconfiantes;
  • O empreendedor social: vem de qualquer setor sem fins lucrativos. São os criativos e visionários. Almejam o benefício social com o uso de inovações criativas. Ideais para trabalhar em órgãos governamentais, comunitários, voluntários e negócios éticos.

Como vimos, empreender não está associado apenas ao lucro financeiro. O objetivo pode ser mais nobre e é o que chamamos de empreendedorismo social. É daí que surge a vertente do empreendedorismo em sala de aula.

Empreendedorismo social

O termo pode se referir a toda ação de mudança e inovação, cuja motivação seja social ou ambiental. O empreendedor atua diretamente com comunidades e instituições que tenham algum problema e precisam mudar com criatividade e novas ideias para melhoria social.

O sucesso nesse tipo de empreendimento está no impacto e na transformação social que sua ação provocou. Ao resgatar pessoas em situações de risco social e promovê-las, gerando inclusão, capital e emancipação social.

É possível aplicar em sala de aula?

A educação empreendedora existe desde o século XVII e tem origem na economia com Jean- Baptiste Say, buscando inspirar alunos a ter vontade de empreender. Procura desenvolver neles as qualidades e habilidades necessárias: aproveitar as oportunidades, ser proativo e confiante.

Pode estar presente em todo o período escolar, desde o ensino fundamental até a formação profissional. A ideia principal é querer mudar para melhorar a situação de uma comunidade, da escola ou do país.

Jovens empreendedores podem e devem pensar grande. Nesse momento entra o papel da educação: na orientação que os professores darão aos alunos para a realização de seus projetos.

Embora o assunto seja bem divulgado atualmente, o empreendedorismo em sala de aula não é novidade no mundo. Podemos citar:

  • Maria Montessori com seu método educacional que preza pela liberdade e autonomia das crianças e suas conexões intelectuais para resolver questões;
  • Jean Piaget com o construtivismo, instiga a curiosidade dos alunos, onde os mesmos buscam respostas a partir do seu próprio conhecimento;
  • Paulo Freire com a Pedagogia Libertadora, cuja proposta é uma educação crítica a serviço da transformação social.

Além desses outros podem ser considerados precursores da Pedagogia Empreendedora, a partir do momento que se prioriza sua autonomia, sua construção nas soluções dos problemas, seu senso crítico social e seu espírito criativo e inovador com responsabilidade em relação ao mundo.

Criando a educação empreendedora

Como vimos, é possível levar o assunto empreendedorismo para sala de aula. Vai depender da consciência e da postura de toda a comunidade escolar: professores, alunos, pais e trabalhadores da escola trabalhando juntos em prol de uma mudança significativa e evolutiva para a escola e para a sociedade em si.

Como fazer

Existem alguns cursos na internet ou presenciais que desenvolvem o tema:

Programa Nacional de Educação Empreendedora: o objetivo é disseminar a educação empreendedora nas instituições de ensino, oferecendo conteúdo de empreendedorismo nos currículos consolidando a cultura empreendedora na educação.

O programa trabalha o envolvimento dos professores e dos alunos em busca da resolução de problemas referentes à escola e à comunidade. Além disso, prepara o aluno para o campo de trabalho, pensando em desenvolver algum empreendimento pessoal.

O programa foi idealizado para ser desenvolvido desde o ensino fundamental, médio, superior e educação profissional. Produzido pelo Sebrae.

Fernando Dolabela Jr – Escritor e difusor da Educação Empreendedora, mais de 20 anos de experiência no assunto, criador dos maiores programas de ensino de empreendedorismo no Brasil:

  • Oficina do Empreendedor - Utilizado em cursos do IEL e Sebrae;
  • Metodologia da Pedagogia Empreendedora - Difundido em todo Brasil, podendo ser realizado em escolas públicas ou privadas
  • Diversos livros sobre o assunto – Pedagogia Empreendedora, Oficina do empreendedor e o Segredo de Luíza;
  • Artigos e softwares.

Casos que deram certo

Aqui no Brasil, o movimento do empreendedorismo nas instituições de ensino vem crescendo, como mostramos nos tópicos anteriores. Esses projetos já surtiram efeito em alguns casos como os que mostraremos a seguir:

Colégios Sesi – Paraná: 45 unidades escolares e mais de 13 mil alunos, tiveram as salas de aulas modificadas para atenderem a nova perspectiva de estudo. As carteiras foram reorganizadas em rodas, incentivando o trabalho em grupo e o compartilhamento dos conhecimentos.

Com a introdução desse método, buscou-se desenvolver a autonomia, o trabalho em equipe, o respeito pelos membros do grupo, o desafio e a interdisciplinaridade. Juntos foram provocados a solucionar problemas, desenvolvendo assim cada aluno, integralmente.

Educação Empreendedora em João Pinheiro MG: Na cidade localizada a noroeste de Minas, Sirley Alves de Paula e Sebastião Alves Menezes, professores capacitados pelo Sebrae, introduziram a disciplina cultura empreendedora no currículo para trabalharem o empreendedorismo com alunos do 9º ano do ensino fundamental.

O resultado final foi apresentado em uma feira da cidade, onde os alunos expuseram e comercializaram seus produtos. Felizes com o resultado, os professores que participaram do projeto, treinaram outros professores e criaram a disciplina Educação Empreendedora, Cooperativista e Financeira. Sirley hoje é a coordenadora do Empreendedorismo na escola.

Segundo a supervisora do município Osvani Xavier, esse projeto ainda existe com alunos do 6º ao 9º ano, onde eles produzem focando a sustentabilidade na comunidade. A feira continua sendo realizada todos os sábados, onde os jovens comercializam artesanato, temperos, bonecas, doces caseiros e alimentos colhidos direto de suas hortas.

Tccstartup

Universidades como a Unisul, a Puc-Rio e a Unipam criaram disciplinas que geraram projetos empreendedores sociais onde teve um grande envolvimento dos jovens (fase final de conclusão de curso) para melhorar a sua comunidade.

Por meio de pesquisas, idealizam projetos, criam metas e levam para a realidade na sociedade. Segundo Milton Teixeira, reitor da Unipam trabalhar com o empreendedorismo nas instituições de ensino requer um envolvimento de todos: alunos, professores, reitores e da própria comunidade.

Projetos que surgiram com essa proposta: Ilab, Sonho Grande, Gerando atletas, Flores em vida: todos com o objetivo de desenvolver o empreendedorismo na sociedade, ajudando as pessoas a melhorarem algum aspecto de suas vidas e cujo conteúdo foi fornecido pela parceria da Endeavor Brasil e do Sebrae.

Diante da realidade das escolas brasileiras

A grande dificuldade em se implantar empreendedorismo nas escolas pode estar na resistência em se fazer algo novo, que requer desestabilizar o que já está pronto, que muitas vezes levou tempo para ser construído.

Rubem Alves já dizia que “ostra feliz não faz pérolas” – as melhores mudanças surgem dos descontamentos diante da realidade. Muitos empreendedores nascem depois de perder empregos, ficarem descontentes com seus serviços onde não vêem perspectiva de crescimento.

As escolas podem e devem ser berços para essas mudanças. As crianças nascem empreendedoras: quebram coisas e as recriam, têm idéias mirabolantes, criatividade e imaginação à flor da pele. Essas habilidades são podadas diante de regras impostas no decorrer de sua vida, muitas vezes pela própria escola.

Implantar o empreendedorismo na instituição de ensino é a oportunidade de se resgatar esse instinto inovador das crianças, ainda na primeira infância, e dar continuidade introduzindo com o passar do tempo, a responsabilidade social, a empatia com o próximo, o produzir sustentável e o ser ético.

Para isso, é necessário que haja preparação dos professores sobre o assunto. Que se estude, debata e repense sua prática pedagógica. Em seguida, que se venda a ideia para a comunidade escolar e trabalhe com isso.

Leve para prática que envolva os alunos e desperta o interesse neles, mostrando que podem ser responsáveis por mudanças a partir de hoje.

O professor deve se preparar bem para que não confunda empreendedorismo com tornar-se rico. Não é esse o enfoque dado pela educação empreendedora nas escolas. O intuito é despertar o espírito de equipe, cooperação, que o aluno é um ser social capaz de ter ótimas ideias e construir algo bom para si e para a sociedade.

Até logo!

Deixe um comentário

© 2012-2018 Canal do Ensino | Guia de Educação

Voltar para o topo