Você está aqui:Home » Dicas » Bolsa de Estudo » Como conseguir uma bolsa de iniciação científica

Como conseguir uma bolsa de iniciação científica

Olá, leitor!

A iniciação científica é como o seu documento de ingresso no mundo acadêmico. Logo nos primeiros meses da graduação, você já começará a ouvir falar dela. No entanto, esse é um assunto que fomenta muitas dúvidas.

Afinal, o que é uma iniciação científica? E principalmente, como funciona a bolsa de iniciação científica, e como conseguir uma?

De uma forma bem resumida, a iniciação científica é como escrever um artigo. Essa atividade, normalmente feita em graduações, serve para incentivar a pesquisa na área. Entrar no mundo acadêmico e contar com publicações em seu nome, pode te oferecer muitas vantagens.

Além de ajudar com o seu conhecimento sobre o tema e técnica de redação, artigos acadêmicos são ótimos para sua carreira. Publicações em seu nome mostram que você entende da sua área e se preocupa com o desenvolvimento dela.

Nesse post, você encontra tudo o que precisa saber sobre como conseguir uma bolsa de iniciação científica. Continue lendo e descubra!

O que é iniciação científica?

como-conseguir-uma-bolsa-de-iniciacao-cientifica_Prancheta 1

A iniciação científica é uma oportunidade para os alunos de graduação entrarem em contato com o aspecto científico do mundo acadêmico. Por meio dela, você aprenderá a fazer pesquisa e a escrever artigos científicos, se habituando ao ambiente acadêmico.

Fazer uma iniciação científica durante a graduação te ajudará muito, principalmente se você pretende ingressar no mundo da pesquisa. Esse é o primeiro degrau para quem quer seguir o caminho acadêmico e conquistar o doutorado um dia. Além disso, é um diferencial enorme do seu currículo e pode dar aquele empurrãozinho para a sua carreira.

A iniciação científica, no entanto, é diferente da pesquisa em si. Como é um ingresso nesse mundo, esse artigo será mais simples e menos inovativo do que se espera de um artigo acadêmico normal. Além disso, você terá a orientação de um dos seus professores e esse primeiro passo é importantíssimo. A iniciação científica permitirá que você:

  • Se habitue ao ambiente acadêmico;
  • Aprenda a usar a linguagem científica de forma fluente;
  • Adeque-se às normas de formatação e escrita exigidas na sua área;
  • Entenda o que é pesquisar;
  • Aprenda a organizar suas ideias em um artigo científico;
  • Treine a metodologia científica na prática;
  • Conheça suas dificuldades e entenda o que precisa ser trabalhado.

Tudo isso te ajudará a se preparar, principalmente, para o seu mestrado. Além, é claro, de contar muitos pontos na hora de ser aceito em um programa acadêmico.

Para quem é a iniciação científica?

Todo aluno de graduação pode ingressar em um programa de iniciação científica. Normalmente, sua universidade oferece editais com prazos e direções para inscrição. Em cada universidade, o programa terá regras um pouco diferentes. Mas o principal requisito para ingressar no mundo acadêmico é sempre o mesmo: disponibilidade e curiosidade.

Tenha em mente que a iniciação científica tomará bastante tempo do seu dia e exigirá muita dedicação. Por isso, ter essa disponibilidade e gostar do meio acadêmico é fundamental.

Conscientize-se também de que você provavelmente cometerá muitos erros no começo. E não há nada de errado nisso. A escrita acadêmica e o método de pesquisa científico são bem diferentes de tudo que estamos acostumados. Leva algum tempo para se adequar às regras novas e pegar o jeito. Com dedicação e paciência, certamente você terá sucesso.

O que é preciso fazer em uma iniciação científica?

Resumidamente, a iniciação científica engloba escrever e publicar um artigo na sua área. Falando assim, pode parecer um desafio, não é mesmo? Mas calma, você terá toda ajuda que precisa.

A maioria das faculdades, pedirão que você escolha um tema e escreva uma pequena introdução sobre o que você quer fazer para se inscrever no programa. Isso é especialmente verdadeiro se você for requisitar um bolsa de iniciação científica. Para isso, você precisará da ajuda de um orientador.

Para facilitar, organize-se da seguinte forma:

  • Escolha o seu tema primeiro. Não esqueça de ser o mais específico possível, para limitar a área de pesquisa;
  • Baseado no seu tema, verifique qual professor está disponível para orientação. Você deve escolher alguém que possua uma linha de pesquisa condizente com seu tema. Dessa forma, poderá te ajudar o máximo possível, recomendando material, por exemplo;
  • Fale com o seu orientador em potencial antes de fazer sua inscrição. É importante que você já tenha um orientador antes de começar a iniciação.

Uma vez iniciado o programa de iniciação científica, você precisará ler muito, pesquisar e escrever sobre o tema escolhido. Com a ajuda do seu orientador, você se aprofundará no tema que selecionou e aprenderá a compor um artigo científico.

Caso seu tema envolva pesquisa com grupos de pessoas, seja em observação ou através de questionários, lembre-se que ela precisará passar por aprovação do conselho de ética da sua área.

Planeje bem o seu tempo, já que o processo de aprovação demora muitos meses e o tempo para entrega do artigo normalmente é limitado. Devido a esse fator, muitas universidades limitam as possibilidades da iniciação científica para pesquisas bibliográficas.

Como funciona a bolsa de iniciação científica?

Agora que você já conhece melhor a iniciação científica, é hora de entender como funciona a  bolsa. O programa de bolsa varia de faculdade para faculdade. Algumas oferecem benefícios em forma de desconto da mensalidade na instituição, por exemplo. Outras, oferecem apenas horas complementares sem compensação financeira.

No entanto, é inegável que o incentivo financeiro para a pesquisa é importantíssimo. Por isso, existem também diversos programas de incentivo à iniciação científica no país. Esse é o caso do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). Em instituições como essas, é possível conseguir uma ajuda de custo durante a iniciação científica.

Para garantir a sua bolsa de iniciação científica, o primeiro passo é pesquisar e pesquisar. Vasculhe sites sobre o assunto e principalmente, converse com os seus professores. Eles são a melhor ponte possível entre você e o mundo acadêmico.

Você certamente encontrará muitos membros do corpo docente que possuem a experiência que você precisa para entender os processos de iniciação científica na sua universidade.

Qual o valor médio da bolsa de iniciação científica?

Em geral, alunos de graduação podem conseguir uma ajuda de custo que varia entre R$350 e R$400 mensais. Fique atento aos editais da sua universidade e às regras do programa de bolsa escolhida.

Algumas universidades possuem programas de incentivo próprios, que oferecem descontos em mensalidade e horas complementares. Informe-se sempre para saber exatamente o que esperar.

O que fazer para conseguir uma bolsa de iniciação científica?

Agora você já tem todas as informações que precisa sobre a iniciação científica. É hora de escolher o seu tema e correr atrás da sua bolsa.

Não esqueça de conversar previamente com o seu orientador em potencial. Quando você fizer a inscrição, tudo já deve estar pronto para começar. Seu orientador também pode oferecer informações valiosas sobre bolsas e incentivos.

Confira algumas opções para conseguir sua bolsa de iniciação científica, além dos programas na sua universidade:

CNPq

O Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, conta com mais de 15 opções de bolsa para alunos de graduação e pós-graduação. Só na graduação são 22 mil bolsas de iniciação científica, pelo Pibic. Informe-se através do site do CNPq, ou pelo telefone: 0800-619697.

Faperj e Fapesp

A Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa, atua no Rio de Janeiro e em São Paulo, com dez opções de programa, que somam 2.673 bolsas. No entanto, para concorrer às bolsas de iniciação científica é preciso ter coeficiente de rendimento superior a 7 e cursar no mínimo o terceiro semestre. Para mais informações, visite o site da Faperj para bolsas no Rio e o site da Fapesp para bolsas em São Paulo.

PIBIC

O Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica, oferece bolsas para estudantes de graduação na duração de 12 meses. Saiba mais no site do PIBIC. Você pode também ler esse outro artigo do Canal do Ensino para conhecer melhor o programa.

Conclusão

A iniciação científica é o seu portal para ingressar no mundo acadêmico. Para quem pretende fazer mestrado e doutorado, esse é o primeiro degrau fundamental para sua jornada.

Esse é um projeto que exige tempo, dedicação e disciplina. Mas para os curiosos e apaixonados por ciência, esse é uma experiência inestimável. A iniciação científica te ensinará o que precisa para se tornar um pesquisador. Além disso, é um ótimo diferencial na sua carreira e uma vantagem importante na hora de ingressar no mestrado.

Como vimos nesse artigo, é possível conseguir uma bolsa de iniciação científica ficando de olho nos editais da sua universidade e procurando os programas nacionais de incentivo. Pesquise bastante antes e avalie bem todas as suas possibilidades!

Quer mais dicas sobre bolsas de estudo? Leia também esses outros artigos do Canal do Ensino:

E você, já sabe qual será o tema da sua iniciação científica?

Até breve!

Deixe um comentário

© 2012-2018 Canal do Ensino | Guia de Educação

Voltar para o topo