Você está aqui:Home » Dicas » Professores » Brinquedo educativo na sala de aula: aprendizado e diversão

Brinquedo educativo na sala de aula: aprendizado e diversão

Olá, leitor!

Traremos neste conteúdo alguns aspectos importantes do aprendizado em sala de aula. Mais especificamente sobre como o brinquedo educativo é uma potente ferramenta para auxiliar no aprendizado, desenvolvimento e evolução das crianças.

Além de exemplificar, mostrar benefícios e como escolher o melhor instrumento de aprendizado, vamos mostrar as diferenças para com o brinquedo pedagógico.

Seja você profissional da educação, pai ou mãe de uma criança em desenvolvimento, é imprescindível adquirir conhecimento e ampliar a extensão de sua atuação em uma das fases mais importantes para o desenvolvimento de uma criança.

Fique por aqui e saiba tudo sobre a função do brinquedo educativo em sala de aula. Além do ganho no desenvolvimento a criança se diverte e torna-se mais apta ao crescimento linear. Acompanhe!

Entenda o conceito de brinquedo educativo

brinquedo educativo

Fonte: Shutterstock

A princípio, pode parecer que toda forma de brinquedo é igual. Seja na escolha dos brinquedos para bebê de 5 meses, brinquedos para bebê de 7 meses ou brinquedos para crianças de 5 anos.

É fundamental compreender que existem diferentes finalidades sobre cada atividade a que uma criança é exposta.

Sendo assim, podemos assumir que o brinquedo educativo é aquele com a finalidade de oferecer o desenvolvimento de determinadas habilidades. Enquanto se diverte e brinca, a criança está em constante evolução sem a necessidade de um tutor para aquela atividade.

Temos como exemplo claro de brinquedo educativo, aqueles que apresentam cores vibrantes e barulhos instigantes para a criança. Brinquedos de encaixe e de empilhamento são alguns exemplos básicos desse tipo de brinquedo.

É recomendado, no entanto, a supervisão de um adulto para diminuir os riscos de acidentes. Por meio da atividade de tentativa e erro, como no brinquedo de encaixe, a criança desenvolve habilidades específicas e ainda se mantém entretida.

Leia mais sobre alguns brinquedos indicados para utilizar em sala de aula neste outro artigo!

Não confunda com brinquedo pedagógico

Assim como citado acima, existem algumas distinções no objetivo de expor as crianças ao brinquedo educativo e ao brinquedo pedagógico.

De forma simples, os brinquedos de caráter pedagógico são, via de regra, acompanhados pela instrução e supervisão de um adulto. Portanto, é fundamental que o educador transmita as orientações apropriadas para que a criança alcance o objetivo da interação.

Eles são destinados à aprendizagem e desenvolvimento específicos de uma habilidade. Podemos assumir alguns exemplos como: brinquedos que utilizam o alfabeto, incentivam o uso de numerais, dominós, quebra-cabeças e jogos de memória.

Na interação com o brinquedo pedagógico é responsabilidade do educador ajudar a criança com aquela habilidade estipulada. Vale a ressalva de que nada impede o educador de utilizar um passatempo pedagógico na questão educativa ou vice-versa, desde que assistida e direcionado para seu objetivo.

Tem o sonho de se tornar professor do ensino infantil? Conheça 20 dicas que podem facilitar o processo!

Conheça 6 benefícios da utilização em sala de aula

Agora que você conhece um pouco mais sobre a definição de instrumento educativo é o momento de conhecer alguns benefícios intrínsecos a esse aprendizado. Lembrando que uma das finalidades é manter a criança entretida e aprendendo. Confira!

1 – Desenvolve especificamente a inteligência coletiva

Como todos sabemos, o ato de brincar com os colegas é uma atividade que oferece a criança uma visão aproximada da realidade que a cerca. Em outras palavras, quando um brinquedo educativo é utilizado, mais de uma criança interage na mesma atividade.

Isso proporciona a oportunidade de buscarem juntas uma solução para o problema. Por conseguinte, a inteligência coletiva é desenvolvida de forma horizontal e orgânica, sem a necessidade de supervisão de um educador ou qualquer adulto.

2 – Estimula noções não cognitivas

Vamos supor que a criança está em contato com um brinquedo educativo com a finalidade de encaixar peças. Por meio da concentração colocada na atividade, a criança estimula e desenvolve a paciência e a disciplina, a fim de buscar a melhor solução.

Na maioria dos cenários escolares, dificilmente tais características são trabalhadas e, portanto, o brinquedo se torna peça fundamental. Além da diversão, interação social e noções não cognitivas ampliadas, a criança melhora sua convivência diária com os colegas.

3 – Incentiva a atividade inclusiva

O brinquedo educativo possui um aspecto vital para o desenvolvimento adequado da criança. Seja em cálculos básicos ou noções básicas de português, por exemplo, todas as crianças possuem certas dificuldades.

Quando o educador expõe essas dificuldades particulares a todos, a criança se torna passível de intimidação e possível retraimento. Por outro lado, essa é uma das vantagens do brinquedo educativo, ou seja, ele permite a abordagem da forma como a criança tiver mais facilidade.

De forma inclusiva, essas interações estimulam o amadurecimento individual de cada criança. Sem sombra de dúvidas, essa experiência é importante para o restante das atividades, mesmo que estas venham a expor sensibilidades.

4 – Transmite autoconfiança

Dentro do universo do jogo quem dita as regras é a própria criança. Desse modo, ela é responsável por encontras as soluções, mesmo que simplórias, para a resolução do problema.

De forma independente a criança aprimora sua proteção contra possíveis e futuras decepções, pois nesse momento ela é quem está no comando da situação. Uma vez confiante, novos horizontes se tornam passíveis de exploração.

5 – Coloca a imaginação para funcionar

O fator imaginação é um dos mais importantes aspectos do desenvolvimento do aprendizado. O brinquedo educativo oferece uma nova perspectiva que possivelmente não seria possível apenas em sala de aula.

Profissionais da educação infantil baseiam suas aulas e materiais acerca de um direcionamento singular, a imitação dos comportamentos. Não que seja negativo, mas isso limita o crescimento adequado da criança, pois dificilmente permitirá incorporar traços pessoais.

Com o jogo educativo é possível romper tal estereótipo, pois não se baseia na imitação, mas sai na criação e utilização da imaginação. Afinal de contas, grande parte dos jogos tem como foco o processo adotado para a resolução, e deixa em segundo plano a resolução em si.

6 – Aprimora e desenvolve a memorização

Via de regra, as melhores e mais reconfortantes memórias estão atreladas aos bons momentos experienciados. Então é primordial que o brinquedo educativo faça parte da sala de aula, pois permite justamente isso, a criação da memória baseada em um momento afetivo entre colegas.

Antigamente quando o ensino era transmitido apenas em sala de aula, as crianças deixavam de apresentar traços marcantes nesse sentido.

Amplie o alcance dessas dicas com este outro artigo completo que já passou por aqui!

Veja alguns exemplos de brinquedos educativos

Engana-se quem pensa que o brinquedo educativo deve ser caro ou mesmo comprado. Existem diferentes ferramentas elaboradas a partir de materiais reciclados.

Por meio do reaproveitamento de materiais que seriam descartados, é possível elaborar ideias criativas e que ajudam no aprendizado. Veja a seguir alguns exemplos:

  • Fantoches;
  • Quebra-cabeças;
  • Dominó;
  • Cidade de blocos gigantes;
  • Encaixe as formas geométricas.

Brinquedos educativos feitos a partir de madeira

Brinquedos feitos a partir de madeira oferecem grandes possibilidades, uma vez que são resistentes e atendem diferentes idades. Um dos brinquedos mais produzidos a partir de madeira são: alfabetos e letras.

Excelente opção para o início da alfabetização das crianças. Além disso, é barato e pode ser atrelado as outras atividades, como em uma tarefa em que seja exigido o encaixe de peças.

Vale ressaltar a necessidade de adequar a atividade à faixa etária, ou seja, não construir um brinquedo educativo de encaixo com pinos, para crianças pequenas, pois além de atuar de forma negativa a criança acaba frustrada.

Grandes empresas criam brinquedos adequados

Sem dúvidas, as empresas especializadas em brinquedo educativo atuam de forma contundente na criação das atividades. É possível encontrar todo tipo de atividade que atende todas as faixas etárias.

Temos, por exemplo, a Fisher Price que é uma das referências e possui um dos mais icônicos brinquedos educativos. O laptop infantil é capaz de acompanhar as crianças desde os 6 meses até seus 2 anos, pois oferece diferentes níveis de atividades.

Claro, esse tipo de brinquedo dificilmente será encontrado em uma instituição de ensino, devido ao seu alto custo. Contudo, é uma excelente forma de ampliar a efetividade do aprendizado da sala de aula em casa.

Descubra a recomendação para cada idade

Esse é um dos pontos de maior importância, pois é o momento onde serão definidas as atividades por idade. De nada adianta o educador disponibilizar um brinquedo educativo para crianças que ainda não atingiram aquele nível de desenvolvimento e maturidade.

Em vista disso, separamos por idade a melhor forma de abordar cada uma das atividades propostas. Acompanhe e descubra onde seu pequeno aluno ou filho se encaixa. Acompanhe!

Bebês de 5 meses até 2 anos

Nessa fase são indicados brinquedos que possuem cores vivas e apresentem algum efeito sonoro. Essas duas características atuam diretamente no desenvolvimento das primeiras percepções, como visual e auditivo da criança.

Assim como citamos acima, os brinquedos de encaixe atuam na conciliação das diferentes formas existentes, bem como na coordenação motora. Mesclar brinquedos que possuem diferentes texturas ajuda no estímulo ao tato.

Uma dica válida é utilizar fantoches, pois amplia o fator concentração, atenção e consequente criatividade.

Crianças de 2 a 4 anos

Para crianças nessa faixa etária é importante se atentar a alguns pontos distintos como: desenhos; blocos de encaixe; quebra-cabeças.

Os desenhos atuam de forma a criar uma base motora para posteriormente ser formada a caligrafia. Quanto aos brinquedos educativos de blocos de encaixe, são responsáveis por oferecer o dimensionamento de tamanhos, cores e coordenação motora.

Quebra-cabeças são recomendados, desde que atendam de forma eficiente e com número de peças reduzidas. Conforme a prática, é recomendado elevar o nível do desafio para o desenvolvimento do raciocínio e noção de espaço.

Crianças de 4 a 6 anos

Nessa fase da evolução infantil é interessante aumentar o nível de interação com brinquedos educativos mais avançados. Não somente brincadeiras físicas, com tabuleiros e peças, mas também com brincadeiras que agrupam mais alunos como amarelinha, por exemplo.

Outras ferramentas educativas devem ser utilizadas, como: massa de modelar; argila; areia. Experimente aplicar sessões de “pula corda”, pois amplia o equilíbrio e deslocação física.

Todas as utilidades citadas para essa idade fornecem algum tipo de benefício, como é o caso da areia, argila e massa de modelar. Habilidades como criatividade e desenvolvimento tátil são observados em crianças.

Veja onde encontrar atividades de alfabetização para aliar aos brinquedos e aprimorar ainda mais seu plano de aulas.

Brinquedo educativo: como escolher o mais apropriado

Agora que designamos cada brinquedo educativo para sua respectiva idade, é essencial apontar outros cuidados. Quando o educador ou mesmo os pais adquirem brinquedos para as crianças, é necessário se atentar, por exemplo, ao selo de Certificação do INMETRO.

Isso porque, esse órgão é responsável por fiscalizar todos as questões acerca de um produto. Segurança, qualidade, proteção à integridade da criança e tantos outros parâmetros são observados pelo órgão.

Dito isso, veja a seguir algumas referências na hora de escolher o brinquedo educativo mais apropriado para uma sala de aula!

Dimensão dos brinquedos

Todos sabemos que uma das situações mais recorrentes, é a ingestão de pequenas peças pelas crianças. Portanto, é fundamental estar de olho nos brinquedos e suas partes pequenas e removíveis.

Outro ponto de importância é quanto ao tamanho e peso do brinquedo, pois assim como mencionamos acima, alguns brinquedos educativos podem ser produzidos com madeira e isso certamente aumenta o peso do brinquedo.

Cuide do olfato e da saúde da criança

Alguns brinquedos possuem odores que podem desencadear uma alergia na criança. Fique atento para que a criança não entre em contato com algo que possa ser negativo para sua saúde.

Extremidades pontiagudas

Cuidado nunca é demais, não é verdade? Alguns brinquedos possuem extremidades que podem ocasionar lesões graves e devem, portanto, passar por um pente fino antes de disponibilizar às crianças.

Nível de toxicidade

Por meio do selo de certificação do INMETRO, você encontra informações que constam qualquer tipo de atenção extra com o produto.

Alguns brinquedos levam componentes químicos em sua fabricação, via de regra, relacionado aos objetos plásticos. Logo, muita atenção para não colocar a criança em risco de contaminação.

Últimas considerações

Esperamos ter apresentado o conteúdo mais completo acerca do que representa o brinquedo educativo na educação e desenvolvimento das crianças.

Algumas das dicas apresentadas acima são ideais para atender com eficiência a demanda das crianças. Afinal de contas, nessa etapa da vida é que desenvolvemos grande parte da nossa capacidade intelectual, motora e de raciocínio.

Aproveite alguns conteúdos encontrados aqui no Canal que certamente irão auxiliar e facilitar a transmissão de conhecimento às crianças, confira!

Esperamos ter contribuído para melhorar a forma como encara a educação infantil.

Saiba que trazer diferentes formas de brinquedo educativo para a sala de aula, além de divertir e entreter os alunos, será imprescindível para o desenvolvimento do adolescente e posteriormente do adulto capacitado.

Ficou dúvidas ou gostaria de acrescentar algo? Deixe nos comentários e nos ajude a melhorar cada vez mais nossos conteúdos.

Até logo!

Deixe um comentário

© 2012-2018 Canal do Ensino | Guia de Educação

Voltar para o topo