Você está aqui:Home » Dicas » Estudantes » Aprendendo a aprender: conheça métodos científicos comprovados

Aprendendo a aprender: conheça métodos científicos comprovados

Aprendendo a aprender é um curso disponível no site Coursera, ministrado e desenvolvido por Barbara Oakley, que compilou também os seus ensinamentos em um livro, que promete ensinar a todas as pessoas técnicas de como aprender a aprender para potencializar os estudos. Confira!

Olá, leitor!

Você já ouviu a expressão “aprendendo a aprender”? O nome pode soar estranho, mas trata-se de uma metodologia de ensino que adota processos para que o aprendizado do aluno seja mais eficaz e interessante.

Pouca gente sabe, mas existe uma série de estratégias que facilitam a aquisição de conhecimentos nas mais diversas áreas: Matemática, Língua Portuguesa, História e Geografia ou qualquer outra que o aluno deseje. A descoberta e o, consequente domínio dessas estratégias – específicas para cada uma dessas disciplinas – constitui a base do “aprendendo a aprender”.

É como se o aprendizado fosse mais uma matéria. Ou seja, o foco de estudo são as próprias etapas de aprendizado. Esse método chamado de aprendendo a aprender, que foi transformado em curso em diversos países, pode ser encontrado no site Coursera, faz muito sucesso além de ser muito bom e eficaz.

Mais adiante falaremos sobre o livro Aprendendo a aprender, de Barbara Oakley, que compila todas os ensinamentos desse curso. Mas, por ora, vamos falar um pouco mais sobre a metodologia.

Para quem serve a metodologia de Aprendendo a aprender?

aprendendo-a-aprender

A metodologia deste curso, não é só para ajudar os estudantes que acabam se atrapalhando na hora de estudar, mas, é também, para muitos professores que querem se aperfeiçoar ou para aqueles que enfrentam diversas dificuldades na árdua tarefa de ministrar aulas com qualidade. Por isso, aprendendo a aprender é um curso dinâmico e pode ser utilizado por todas as pessoas.

De acordo com dados do Censo Escolar, levantados pela ONG Todos Pela Educação, em 2013, 21,5% dos professores brasileiros de 6º a 9º ano não tinham Ensino Superior – 35,4% dos quais não eram habilitados a dar aula, mostrando que o problema com a Educação é estrutural.

Por essa e outras, discussões sobre metodologias de ensino e aprendizado são de altíssima prioridade no país. O “aprendendo a aprender”, então, surge como um bote salva-vidas para alguns problemas bem recorrentes em sala de aula: evasão, abandono de estudo, desinteresse, sono, raiva do conteúdo ou do professor, dificuldades de interpretação de texto e resolução de cálculos e o famoso “branco” nas provas.

Qual o benefício da metodologia de Aprendendo a aprender?

Para Rosiane de Freitas, professora de Jornalismo na Universidade Positivo e pesquisadora do assunto, todas essas ocorrências de não saber aprender, contribuem para que o aluno se distancie cada vez mais do conhecimento específico, fundamental para a prática profissional.

“O aprendendo a aprender vem de encontro a uma realidade que vivemos hoje, que é a da necessidade de uma atualização constante. Sob esse aspecto, o papel da escola não é, simplesmente, ministrar o conteúdo X ou Y, mas sim tornar o aluno capaz de buscar o aprendizado por conta própria”, explica.

Isso porque cada vez mais as oportunidades de aprimoramento não estão, apenas, em instituições tradicionais, como a escola. “O ensino a distância, por exemplo, é uma realidade que elimina distâncias e potencializa o acesso à educação, mas também exige muito mais do aluno, que deve ser mais ativo no processo para compensar a falta de convívio físico com os colegas e os professores”, completa.

Portanto, o maior benefício dessa metodologia de Aprendendo a aprender é capacitar as pessoas a conseguirem aprender e assimilar qualquer tipo de conteúdo.

Conhecimento aberto é o diferencial dessa metodologia

O mais interessante é a cultura de compartilhamento do conhecimento de Aprendendo a aprender, assim como toda cultura fomentada pela internet e por movimentos como o Open Source (Fonte Aberta).

Se você quiser aprender a tocar bateria ou a calcular a resistência de uma viga é provável que encontre um vídeo no YouTube ou um tutorial no Instructables que te ajude. Da mesma forma que você pode ensinar milhares de pessoas a fazer uma determinada receita ou construir uma casa de papelão.

No entanto, esse processo de troca de conhecimento, de compartilhamento, só existe por iniciativa dos indivíduos e não mais pela ação disciplinadora da instituição educacional.

Sendo assim, deixar todo esse conhecimento aberto ao público é essencial. Entretanto, o curso disponibilizado no Coursera é em inglês, mas possuem legendas em português devido as ferramentas de tradução dos vídeos.

Qual é o segredo então de Aprendendo a aprender?

O ponto principal de tudo, podemos dizer que é não deixar extinguir a nossa capacidade nata de sermos curiosos. O processo aí é o de refinar como essa curiosidade nos move, ensinando-nos a perguntar, a questionar etc.

O papel do professor é o de provocar a curiosidade, o espanto, e estimular o aluno a seguir seu caminho. Quando o processo é protagonizado pelo aluno e tem como início a sua curiosidade, o que é aprendido tem significado maior porque se relaciona naturalmente com o que o estudante já sabia.

Todas as técnicas e metodologia são comprovadas cientificamente, esse é outro grande diferencial de Aprendendo a aprender. A neurociência comprovou que todas as dicas e ensinamentos passados no curso, se feitos de forma correta e eficaz, ajudam as pessoas a absorverem conteúdos dos mais variados tipos de maneira eficaz.

Portanto, é assim que funciona essa metodologia de Aprendendo a aprender!

Livro Aprendendo a aprender, de Barbara Oakley

Outro nome forte na metodologia do “Aprendendo a aprender” é o da professora Barbara Oakley. É difícil definir uma profissão para a professora Oakley. Ela se formou em Literatura e Línguas Eslavas, trabalhou como tradutora no exército americano, até que decidiu estudar engenharia.

Hoje, ela tem um currículo invejável, que passa por disciplinas tão distantes quanto Letras, Engenharia e Biologia. É PhD, professora de Engenharia na Universidade de Oakland, em Rochester, Michigan. Sua pesquisa atualmente se concentra na complexa relação entre neurociência e comportamento social.

Ela ministrou um curso virtual na plataforma Coursera, intitulado Learning How to Learn (Aprendendo a Aprender), que já citamos anteriormente, sendo que esse curso já reuniu mais de 100 mil estudantes de todo o mundo. Para organizar este curso, Barbara juntou sua experiência pessoal de aprendizado em diversas disciplinas e suas pesquisas na área de neurociência para apresentar processos que podem ajudar qualquer um a melhorar seus estudos.

Conheça dez das principais técnicas apresentadas no curso Aprendendo a aprender

 Veja agora os 10 dos ensinamentos básicos do Aprendendo a aprender e conheça agora mesmo a como melhorar seus estudos!

1 – Procure relembrar

Depois de ler uma página, olhe para longe e relembre suas ideias principais. Sublinhe pouco conteúdo e nunca destaque alguma coisa que ainda não tenha aprendido de fato. Tente relembrar as ideias principais quando estiver caminhando para a aula, ou em um local diferente de onde você originalmente aprendeu o conteúdo. Mudar de cenário ajuda a consolidar o conteúdo absorvido. A capacidade de relembrar (gerar as ideias de dentro de si mesmo) é um dos principais indicadores de uma boa aprendizagem.

2 – Teste a si mesmo

Em tudo. O tempo todo. Faça cartões com os pontos principais do conteúdo.

3 – Separe o conteúdo em pequenos grupos

Com isso, você pode entender e praticar a solução de cada etapa de um problema separadamente, de modo que tudo venha à sua mente instantaneamente. Depois de resolver um problema, repita cada etapa do processo. Tenha certeza de que você sabe solucionar cada passo. Vale imaginar que o problema é uma música e ensaiar cada parte diversas vezes em sua mente, até que todas as informações se conectem de forma suave e que você possa acioná-las sempre que quiser. Apesar de essa técnica já ser um lugar-comum nas matérias exatas, ela pode ser aplicada a qualquer área.

4 – Espace as repetições

Quando for estudar qualquer assunto, não concentre as repetições em um único momento. Estude um pouco a cada dia, assim como um atleta. Seu cérebro é como um músculo: ele lida com uma quantidade limitada de exercícios sobre um assunto de cada vez. Lembre-se: um estudo constante é mais eficiente que um estudo intenso.

5 – Alterne as diferentes técnicas de resolução de problemas durante seu estudo

Nunca pratique a mesma técnica por muito tempo, pois isso pode fazer com que apenas imite o que fez em um problema anterior, deixando seu cérebro “preguiçoso”. Para aprender como e quando usar determinada técnica, trabalhe em diferentes tipos de problemas (livros de estudo não são geralmente configurados dessa forma, então você vai precisar fazer isso por conta própria). Depois de cada teste, revise seus erros, certifique-se que você entendeu por que os cometeu e refaça-os.  Para estudar com mais eficiência, escreva à mão (não digite) um problema de um dos lados de um cartão e a solução do outro (a escrita constrói estruturas neurais mais fortes na memória do que a digitação). Você também pode fotografar o cartão, caso queira carregá-lo em um aplicativo de estudo em seu smartphone. Teste-se aleatoriamente em diferentes tipos de problemas. Outra maneira de fazer isso é abrir aleatoriamente seu livro, escolher um problema e ver se você pode resolvê-lo.

6 – Faça pausas

É comum ser incapaz de resolver problemas ou entender conceitos na primeira vez que encontrá-los. A falha faz parte de qualquer processo. É por isso que um pouco de estudo, todos os dias, é muito melhor do que estudar muito de uma só vez. Quando ficar frustrado por não conseguir resolver um problema, faça uma pausa para que outra parte da sua mente possa assumir e trabalhar em segundo plano.

7 – Use analogias simples

Sempre que você estiver com dificuldades em um conceito, pense consigo mesmo: Como eu posso explicar isso para que uma criança de dez anos entenda? Fazer uso de analogias ajuda muito em não se perder nos conceitos complexos. Não basta pensar em sua explicação. Diga em voz alta ou coloque por escrito. O esforço adicional de falar e escrever permite codificar mais profundamente (ou seja, converter em estruturas neurais de memória) o que você está aprendendo.

8 – Foco

Enquanto estuda, desligue todos os sinais sonoros e alarmes em seu telefone e no computador, e, depois, programe um cronômetro ou alarme para contar 25 minutos. Concentre-se, atentamente durante esses 25 minutos e tente trabalhar tão diligentemente quanto puder. Quando o tempo acabar, dê uma pequena recompensa para você mesmo. Faça uma pausa e foque-se em outro assunto. Algumas dessas sessões por dia podem ajudar bastante seus estudos. Tente definir horários e lugares específicos para estudar, sem olhar para o computador ou telefone.

9 – Roa o osso primeiro

Faça as coisas mais difíceis no começo do dia, quando você está mais disposto. Assim, as tarefas mais fáceis serão realizadas sem problemas.

10 – Faça um contraste mental

Pense de onde você veio e aonde quer chegar com seus estudos. Coloque uma foto ou palavras em seu espaço de trabalho para lembrá-lo de seus objetivos. Olhe para isso quando você estiver com pouca motivação. Este trabalho vai ser recompensador, tanto para você quanto para aqueles que você ama.

Até mais!

Deixe um comentário

© 2012-2018 Canal do Ensino | Guia de Educação

Voltar para o topo