Você está aqui:Home » Dicas » Professores » 5 atividades de educação especial para utilizar em sala de aula

5 atividades de educação especial para utilizar em sala de aula

Olá, leitor!

Tanto o professor que leciona para alunos com necessidades educacionais especiais, quanto o  de sala de aula regular, precisam de atividades de educação especial para utilizar em sala de aula. Além disso, é necessário trabalhar com uma diversidade ampla de recursos e ferramentas para auxiliar no aprendizado e desenvolvimento de seus alunos. Pensando nisso, escrevemos esse artigo contendo uma lista dessas atividades além de algumas explicações importantes. Confira!

Educação Especial e Inclusiva

5_atividades_de_educacao_especial_para_utilizar_em_sala_de_aula

 

Educação Especial

É o ramo da educação que se ocupa os educandos com deficiência de preferência nas instituições de ensino regular, mas também nas especializadas. Possui uma série de recursos educacionais que oferecem diferentes alternativas de atendimento à disposição dos alunos. A tendência é tornar a educação especial cada vez mais inclusiva, aproximando a todos, com todas suas diferenças.

Tome nota: Para entender melhor a utilização dos termos corretos em relação à deficiência, sugerimos consultar esse artigo da página da Câmara dos Deputados: Como falar sobre as pessoas com deficiência.

Inclusão

A inclusão escolar tem sido tema de debate nos últimos anos com muita frequência, por se tratar de uma necessidade social e educacional para um melhor acolhimento às pessoas em geral: as pessoas com ou sem deficiência. Por esse motivo incluir atividades de educação especial para utilizar em sala de aula também é importante.

Leia mais: Escrevemos em outras oportunidades artigos sobre inclusão. Seguem como sugestão de leitura:

Atividades Especiais para utilizar em sala de aula

Utilizando uma perspectiva inclusiva, trouxemos dicas para você que trabalha ou pretende trabalhar como professor. São atividades que levam os alunos sem deficiência para compreender o lado de quem tem e promove uma oferta de situações que auxiliem no desenvolvimento destes.

1 – Todos juntos aprendendo com as diferenças

Indicado às escolas que estejam iniciando em educação inclusiva. Utilizando do cartaz do Ministério da Educação e Cultura -MEC “Todos juntos aprendendo com as diferenças“, a escola poderá fazer atividades que ajudem a vencer preconceitos promovendo empatia, respeito e solidariedade.

Com o auxílio de figurinhas de revistas em quadrinhos, inicie perguntando aos alunos se eles conhecem 2 seres vivos iguais. Assim como os personagens de quadrinhos, nós seres humanos temos características que nos diferenciam uns dos outros. Se alguém citar os gêmeos idênticos, lembremos das diferenças de temperamento que geralmente eles tem.

Em seguida incite um debate perguntando: “como seria o mundo se todos fôssemos iguais? E se pensássemos da mesma maneira, tivéssemos os mesmos gostos, os mesmos sonhos, agíssemos totalmente iguais?” Mostre as vantagens das pessoas serem diferentes pois isso traz diversas contribuições à sociedade.

Através da conversa com os alunos procure conhecer os sentimentos deles em relação à deficiência. Se conhecem alguém, como agem com essa pessoa, o que pensam dela. Em seguida, aproveitando as deficiências citadas, divida a turma em pares onde cada par irá vivenciar o tipo de deficiência (auditiva, motora, visual ou múltipla) alternando a posição entre o deficiente e o acompanhante. Algumas sugestões para cada deficiência:

  • Auditiva: assistir a um vídeo sem som. O que eles aprendem?
  • Visual: explorar a sala de aula ou outro local da escola de olhos vendados com a ajuda do colega.
  • Na fala: tentar passar uma mensagem ao colega através de mímica.
  • Motora: brincadeiras como ovo na colher, corrida do saco, nas quais o aluno estará com a perna ou o braço mobilizado.
  • Múltipla: associar dois ou mais tipos de deficiências

Depois dessa atividade deixe que os alunos expressem o que sentiram, quais as dificuldades encontradas, se o colega ajudou ou atrapalhou, se mudou algum sentimento depois dessa atividade.

Pesquise com os alunos pessoas que enfrentam na vida situações devido à suas deficiências, como elas desenvolveram suas atividades e superaram suas dificuldades. Finalize pedindo que ele faça um texto sobre o tema: “Todos tem o direito de ser diferentes”. (Atividade sugerida pelo site: Sindicato de Especialistas de Educação do Magistério Oficial do Estado de S.Paulo)

2 -Vamos desenhar?

Atividade para explorar a sensibilidade em crianças e jovens na escola.

Os objetivos das atividades que envolvem jovens e crianças devem ser de mudar uma realidade de exclusão e preconceito. Os educadores devem trabalhar com calma, envolvendo os alunos e a família, pois o nível de sensibilidade entre eles poderão interferir no processo. Em se tratando de crianças muito pequenas, como são muito dependentes dos pais, é necessário que em algumas atividades possa ter o envolvimento dos representantes familiares para saber como lidam com o tema em casa.

Para ser feita em sala de aula ou pátio, com crianças em torno de 11 anos, utilizando papéis, lápis coloridos, canetas, e outros. Divida os alunos em grupos de 3 e escolha ou permita que cada um escolha uma incapacidade, por exemplo: um não enxergar, outro não mexer o braço, outro não ouvir.

Depois divida a turma: os de olhos vendados num canto, os de braços presos em outro, o grupo de quem não pode ouvir em outro lugar. Oriente ao grupo que não estará enxergando e os que tiverem os braços presos a desenharem uma casa, rica em detalhes, explore a paisagem, com outros elementos e reforcem que eles deverão desenhar tudo.

Por fim, oriente esse alunos a explicarem para o terceiro do grupo o que ele deve desenhar. Pode ser por mímica, ou de outra forma que eles acharem que pode ajudá-lo conseguir desenhar: sem deixar de lado suas limitações escolhidas.

Em seguida reúna-os na formação do trio original onde 1 estará de olhos vendados, outro com o braço amarrado levemente e o terceiro com os ouvidos tampados. Informe ao de ouvidos tampados que ele deverá desenhar o que os colegas do trio pedir. Peça para que cada um faça um desenho rico em detalhes e observe como eles se sairão: como orientam quem não ouve.

O Objetivo é promover o trabalho em equipe e a colaboração apesar das diferenças. Depois da atividade reúna a turma e converse sobre o quê eles sentiram, se foi difícil, se conseguiram ajudar ou ser ajudado. Para concluir, o educador poderá levar um vídeo que trate dessas diferenças. (Atividade sugerida na página: Fundação Maurício Sirotsky Sobrinho)

3 – Trabalhando com uma história

A história escolhida foi: “Cocoricó- Um amigo especial”. Autora: Cristiane Pederiva, editoria Melhoramentos. Objetivo: discutir a deficiência visual e os recursos de acessibilidade necessários para uma pessoa cega, conhecer o sistema braile de leitura e escrita.

Antes de começar fazer perguntas que: despertem a curiosidade das crianças, objetivam criar leitores críticos explorando as informações do título e da capa, conhecer o contexto da história e conhecer os personagens. Se houver alunos com deficiência visual na sala, o professor precisa descrever as características de cada personagem, o que vestem, onde estão. esse recurso é essencial para que as crianças entendam melhor a história e o contexto.

Contar a história mostrando painéis táteis e ilustrativos. Deixar que as crianças toquem os painéis, explorem e comentem. Fixar na lousa após a exploração. Apresentar às crianças uma bengala, uma reglete com punção, papel mais grosso para ser usado na reglete, alguns textos em braile: esses instrumentos são usados pelo personagem cego na história.

Depois da leitura perguntar sobre os personagens e a história, fazer perguntas para despertar nas crianças o respeito à diferença, sobre o que cada um pode fazer para promover a inclusão na escola, como as pessoas com essa deficiência assistem televisão e o que podemos  fazer para ajudá-las na rua.

Ensinando o alfabeto em braile: mostrar cartões com as letras do alfabeto em braile, para que as crianças colem botões pretos nos pontos marcados em negrito. Esses cartões ficarão expostos na sala. (Atividade tirada da Cartilha de atividades inclusivas)

4 – Incluir brincando

Esse é um projeto da Tv Cultura e da Sesame Workshop, visando a importância do brincar inclusivo e seguro com ênfase na inclusão das crianças com deficiências. O projeto potencializa suas ações com educadores, familiares e cuidadores por meio de uma campanha Transmídia com curso de formação, vídeos e site interativo. No site é possível encontrar material em pdf e áudio, para download.

5 – Sentindo na pele

Essa atividade é referente à deficiência física. Os alunos deverão trazer um par de meias grossas e uma camisa com botões. A turma deverá ser dividida em pares. Um de cada vez, coloca as meias nas mãos e rapidamente tenta vestir a camisa, abotoá-la e desabotoá-la e sentar-se na frente do outro. Em seguida deverão trocar o material e repetir a experiência.

A intenção é mostrar aos alunos como é vivenciar uma situação que acontece com pessoas que tem deficiência cerebral ao tentar abotoar uma camisa. (Atividade sugerida no site: Atividades Inclusivas na Educação Física Escolar)

Complementos para professores

Além dessas atividades, seguem duas sugestões de listas para auxiliarem você professor.

Com esse artigo, esperamos ter esclarecido os conceitos de educação especial e inclusiva, além de ter listado uma série de atividades que poderão ser usadas em sua escola inclusiva.

Até logo!

Deixe um comentário

© 2012-2018 Canal do Ensino | Guia de Educação

Voltar para o topo